segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Capriciosa, Lisboa



Ora aqui está um restaurante propício para esta altura do ano.... sala de refeição enorme, bem localizado e com comida boa e acessível. Todo um conjunto de predicados que muitos que ficaram com a pesada, e muitas vezes atribulada, responsabilidade de marcar um restaurante para o jantar de Natal, especialmente quando o grupo de pessoas é grandito, procura :-)

Situado no Parque das Nações (parece existirem mais dois - Alcântara e Carcavelos), por cima da República da Cerveja. De dia, a refeição deve ser agradável pois tem todo um conjunto de janelões com vista para o Tejo. Ao jantar, não deixa de ser um local alegre e divertido, muito por culpa da decoração que faz uso de muito branco conjugado com cores fortes. O atendimento é simpático e atencioso (mas em dias de muito movimento deve ser um bocadinho menos presente :-).


Primeiro de tudo o que é D.O.C.? A sigla quer dizer Denominação de origem controlada, ou seja. as pizzas são realizadas com produtos de qualidade e seguindo a confecção mais "correcta" das pizzas.

Ou seja, blá, blá, blá.... e eram boas? Pois bem, as duas Calzonne pedidas estavam muito boas, com a massa e o recheio no ponto certo. Muito boas (a fome também já era alguma :-)

Para sobremesa, não faltou o bolo de chocolate e tarte de maçã (com outros nomes mais fashion obviamente) e estavam bons, mas nada do outro mundo. Depois do café, veio um recibo a dizer que tínhamos que pagar 15€pp, o que não está muito mal.

Em suma, sitio bom para se ir jantar comida italiana e não se quer enfiar dentro do Vasco da Gama (o Di Casa também já teve melhor aspecto), para além de ser o local com muito potencial para jantares de grupo (ou mesmo de multidão).

Localização:
Parque das Nações - Passeio das Tágides, Lt 2.26.01
1900-280 Lisboa
ou seja, entre o Pavilhão Atlântico e o Tejo ou por cima da República da Cerveja
Horário: 12:30 às 15:30 e das 19:30 à 01:00
Encerramento: Não encerra
Tel. 218922595

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

NATAL 2009


Para todos os que já visitaram, e para os que ainda vão visitar, este blog que tanto prazer nos tem dado a escrever (e nos tem obrigado a fazer algo que nos custa tanto...comer! :-) desejamos um

FELIZ NATAL!


Feliz Navidad
Merry Christmas
Vrolijk Kerstfeest en een Gelukkig Nieuwjaar! or Zalig Kerstfeast
Glædelig Jul
Zorionak eta Urte Berri On!
Hyvaa joulua
Joyeux Noel
Froehliche Weihnachten
Kala Christouyenna!
Buone Feste Natalizie
Kung His Hsin Nien bing Chu Shen Tan
Gun Tso Sun Tan'Gung Haw Sun

(para aqueles que no estrangeiro clicam no nosso blog não se sintam postos de parte)

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Rubro, Lisboa


eh pá, eh pá. já estou a ficar um bocadinho atrasado na elaboração deste post (já houve que fosse e voltasse do continente americano e eu ainda não o escrevi :-)

Quando de vai jantar fora com amigos, conversa e palhaçada são sempre garantidas (excepto se forem pessoas que levem a etiqueta muito a peito) mas, por vezes, quando surgem situações durante o dia que fazem subir a adrenalina é bom escolher um restaurante onde se pode discutir, alto e bom som, todos os pormenores (ou seja dar uso às cordas vocais :-).

O Rubro é uma excelente opção para estes dias. Com espaço entre mesas (e na própria mesa) suficiente para garantir liberdade de expressão, o Rubro transmite um ambiente de descontracção e de convívio muito engraçado, especialmente pela decoração sóbria à base de madeira e paredes pintadas de preto, sem grandes floreados.

Existem dois Rubros, um numa rua paralela à Av. da Liberdade (onde descobri a existência deste restaurante e onde ainda espero vir a comer :-) e outro na monumental Praça de Touros do Campo Pequeno (onde jantámos). Este último tem duas salas de jantar, uma de fumadores (piso térreo) e outra de não fumadores (1º andar), e uma “barra” mesmo à entrada do restaurante onde se pode simplesmente “picar” (por isso não se assustem se virem um aglomerado de pessoas à entrada, não quer dizer que o restaurante esteja cheio, simplesmente tão numa de beber um copo e de "picar").


Existe a possibilidade de pedir pratos, mas o mais interessante é pedir umas quantas tapas diferentes e experimentar de todas...nós pedimos Ovos rotos (em português mixórdia de batatas fritas com ovos), Revueltos de enchido (em português omelete de enchidos), setas salteadas (em português cogumelos salteados) e Pica-pau de lombinho de porco preto. Tirando as setas que estavam um bocadinho salgadas, tudo estava muito bom! Acompanhado com muito pãozinho quente, chamámos-lhe um mimo :-)

Para beber, podem experimentar um dos variadíssimos vinhos que a casa tem para oferecer ou, com oferta mais reduzida, beber apenas um copo. Eu não percebo nada de vinhos, só sei dizer se gosto do sabor ou não, e o que me deram para beber soube muito bem com as diferentes tapas pedidas.

Depois de muitos pratos a circular, qual jantar de família em dia de acção de graças, pedimos a sobremesa. Pedimos dois bolos de chocolate (não foi dos melhores mas não estava nada mau) e uma léria (que era minúscula, dava para a cova de um dente).

Depois do café e de muita conversa lá veio a dolorosa.... 18€ pp não foi nada mal! O atendimento é prestável e muito simpático (respondendo todas as dúvidas em relação ao menu com um simpatia e não com cara de quem estava a pensar "dahhh tecla três").

Para um jantar de grupo parece-me um local mais que apropriado.

Localização
Praça de Touro, Campo Pequeno
1000-078 Lisboa
Tel.210191191
Horário: 12:00 - 15:00; 19:30 - 23:00
Encerramento: Não encerra

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Nosolo Italia

   


Para quem é cliente frequente do Algarve este nome é sobejamente conhecido, mas do que vos venho aqui falar é da mais recentemente aquisição desta cadeia, o Nosolo em Belém.

Ora, o grupo começou com dois amigos italianos que se estabeleceram no Algarve na década de 80, e onde ao longo dos anos abriram gelatarias/pizzarias em Portimão, Albufeira, Vilamoura e Praia da Rocha. Mais recentemente abriram em Aveiro, e já neste ano foi a vez de Belém. Como outros estabelecimentos da cadeia, o Nosolo Italia de Belém tem uma oferta variada, para almoçar e jantar existem pizzas e massas, e para sobremesa ou lanche gelados e crepes.
 
  
A primeira vez que fui ao Nosolo Belém foi à hora de almoço e estava a abarrotar de gente ( na sua maioria espanhola), e infelizmente não conseguimos uma mesa na esplanada, foi uma pena até porque estava um daqueles dia de sol, entre dois dias de chuva e mau tempo, e há que aproveitar estes dias. Da segunda vez foi há hora do lanche, por isso o restaurante estava mais vazio, e foi possível sentar na esplanada aquecida, sim, realmente aquecida. Ao contrário da maioria dos estabelecimentos que utilizam aquecedores a gás gigantes, que devem aquecer as pessoas com um 1,90m que estão de pé, aqui optaram por pequenos aquecedores eléctricos colocados nos chapéus de sol e direccionados para os clientes. Assim ficamos quentinhas e pudemos desfrutar da vista magnifica.

Em relação à comida, não acho que as pizzas sejam muito boas, existem pizzarias muito melhores e a praticar preços mais simpáticos (sim, eu sei que tenho de pagar pela localização do restaurante, mas mesmo assim). Não estou com isto a dizer que as pizzas não tenham qualidade, cumprem apenas o objectivo, mas não me deixaram maravilhada ou surpreendida. Já por outro lado, os gelados... Bem, esses, como nas outras Nosolo, são divinais e grandes. Sim, porque apesar de também serem carotes, como uma taça de gelado dá para duas pessoas, acaba por ficar em conta.

Portanto, mais um sitio para a desgraça em Belém, já não bastava os pasteis, e o starbucks, agora o Nosolo, que para além de complicar a decisão de onde comer, também garante pelo menos mais um quilito.

Relativamente aos preços, as pizzas rondam os 12 euros, e os gelados 7 euros.

Nosolo Itália
Av. Brasília Nº 202 (junto ao Padrão do Descobrimentos)
1400-038 Lisboa
Telefone: 213 015 969


__________________

Joana come a papa, acrescenta:

as pizzas são boas, apesar de nada transcendental, e os gelados enfim...que poderei dizer! bons, realmente bons! a indecisão ao olhar para a carta é....qual escolher?! Acrescento ainda que num dia de semana, chegando por volta das 14h já não se apanha a enchente do almoço e o atendimento é rápido e eficiente (quando se vai com crianças isto é mesmo fundamental!). Ah, e ainda fornecem aos pikenos aqueles conjuntos maravilhosos de lápis de cor e folhas com desenhos para pintar! Também é verdade que para o que se come, não é propriamente barato, mas enfim....location, location...!
 
 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Veredictto, Lisboa


Depois de mais uma vez ter ficado para trás um restaurante que anda na manga há imenso tempo, mas teima em sair...(jantar de Natal?! quem sabe?!), decidimo-nos pelo Veredictto. No centro de Lisboa, ou seja mesmo em frente ao Picoas Plaza, italiano (geralmente reúne consenso de gostos), com críticas razoáveis e preços convidativos. Ingredientes que levaram à escolha. O espaço é novo, decorado e tons de cinzento e bege, com uma coisa que eu teimo em gostar mas que normalmente não é muito funcional (que são os sofás). Estes não experimentámos...ficámos numa mesa só com cadeiras (mas tinham ar promissor...).

Na ementa descobrimos não existirem pizzas e as massas disponíveis têm formas diferentes dos habituais fettucine, fusilli e afins (é o pappardelle, os gnocchi...), existem risottos, e claro os pratos mais elaborados de carne. Entretanto, este post está a ser escrito à distância de quase dois meses (tem-me faltado, não o tempo confesso, mas a inspiração!) e portanto não me recordo dos nomes dos pratos pedidos. Éramos seis e aventurámo-nos entre as massas e os risottos. Estavam todos bons, com boa apresentação, mas não se preocupem que não vão ficar a transbordar de comida. A quantidade digamos que é a...suficiente!

E portanto, obviamente que teríamos de pedir uma sobremesa....para completar este pequeno vácuo que se estava a gerar nas nossas barrigas...! Novamente não me lembro dos nomes das sobremesas...mas tinham óptimo aspecto e boa combinação de sabores.


No final de tudo a conta ficou em cerca de 17€/pp, o que está dentro dos valores anunciados e condiz com aquilo que nos foi servido. Tivemos apenas um pikeno pormenor desagradável: entre pagamentos por multibanco e dinheiro...sobrava dinheiro que os senhores não trouxeram achando automaticamente que seria uma gorjeta! Tss, tss, péssima atitude...que ensombrou um pouquinho a nossa opinião. Enfim! Mas nós vingámo-nos....ficámos na conversa, na conversa, até que tiveram mesmo de nos pedir para sair!

Localização:
Rua Viriato, 18A (frente ao Picoas Plaza)

1050- 235
Lisboa
Telef.: 210 995 191
Encerra sábado ao almoço, e domingos.


quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Boka de Santo, Lisboa



Há horas de sorte, mesmo em dias que parecem não estar a correr pelo melhor. Era dia do aderente na Fnac e os multibancos estavam em baixo, causando um verdadeiro caos. No Stockmarket, para além de estar a abarrotar de gente, os multibancos não estavam muito melhor (mas pelos menos iam funcionando), e a oferta era muito fraquinha. Mas depois de tanto encontrão e desapontamento fizemos uma boa descoberta, o Boka de Santo.

Começando pelo início, precisávamos de jantar, já eram 22h e estávamos na antiga FIL, do que é que nos lembrámos? Taberna Ideal, óbvio. Mas infelizmente do pensar a concretizar vai uma grande distância... à porta da Taberna estavam pelo menos umas 10 pessoas à espera de mesa, por isso desistimos. Segunda opção, o restaurante que existe no cimo da rua do Santissimus (Armazém da Cachaça), ao qual já tentámos ir mas sem sucesso (isto porque o pessoal que não tem Smarts tem grande dificuldade em arranjar lugar de estacionamento nesta zona de Lisboa), estava já a fechar. O que fazer então? Descer paulatinamente a rua e ver no que dá.

E foi então que encontrámos o Boka de Santo. Da rua o ambiente parecia bom, o preço e oferta também, por isso decidimos experimentar. O ambiente é acolhedor e despretensioso e o atendimento muito bom. O senhor que nos atendeu, que me pareceu o dono, desfez-se em simpatias (mas das que parecem verdadeiras) e atenções. A ementa é composta por pratos tipicamente caseiros, que podiam pertencer ao menu lá de casa.

De entrada, havia salsichas pequeninas quentinhas que souberam pela vida, queijo e azeitonas. Em relação aos pratos, comemos moamba de galinha e ervilhas com ovos escalfados, que estavam muito bons, com o tempero correcto, e acompanhados de um bom copo de vinho. Para sobremesa comemos bolo de chocolate, não pertence ao meu top 5 mas cumpriu muito bem o objectivo, e tarte de maçã com leite condensado e amêndoa acompanhado de uma bola de gelado de baunilha (com uma textura intrigante mas num bom sentido).

No final, 16 euros por pessoa, o que me pareceu uma boa relação preço/qualidade. 

Boka de Santo
Rua São João da Mata 46-46 A - Lisboa
1200-813 LISBOA
213970557
Encerra aos Domingos