quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Cantina Baldracca, Castelo






É tão bom quando alguém convida o Sebastião para jantar e não lhe pede qualquer tipo de opinião ou ajuda na escolha do restaurante...em abono da verdade, quem combinou não faz a mínima ideia que o Sebastião escreve umas cenas num blogue, como é mesmo o nome....pois esse mesmo :-), e, mais ainda, só soube que ele ia ao jantar perto do dia....
Claro que o Sebastião vai ouvindo, ou lendo, comentários sobre restaurantes e, quando surge a necessidade, ele avança com essas ideias. Mas o Sebastião gosta mais de ser surpreendido com ideias de outrem.... mais que não seja porque tem má memória e é ligeiramente preguiçoso.... mas não lhe vamos levar isso a mal, certo?


Mas avancemos. O objetivo principal deste serão era ir a um espetáculo no Chapitô. Mas a organizadora da excursão propôs, e muito bem, que se fosse jantar antes do espetáculo a um restaurante perto, do qual tinha tido boas referências, e assim evitar os preços do restaurante do Chapitô.

O Sebastião gosta de italiano, nunca tinha ido ao Baldracca e percebeu (após breve pesquisa na internet) que os preço eram acessíveis, três ótimas razões para aceitar o convite. A companhia não entrou na equação inicial porque o Sebastião conhecia apenas duas das resmas de pessoas que iam ao jantar (e espetáculo). Mas agora, olhando para trás, ele poderia ter colocado como quarta razão a companhia para jantar :-), se não fosse o espetáculo acho que ele continuaria na amena cavaqueira noite dentro.


 
Encontrar a Cantina Baldracca não é difícil mas exige consultar o Google mapas (nunca, mas nunca o Bing) e estudá-lo durante um bocado. Sebastião partiu do Largo do Caldas (Largo Adelino Amaro da Costa para os menos conhecedores da gíria lisboeta), o que lhe deu a oportunidade de andar novamente no novo elevador do Castelo, entrou na Rua do Regedor e escolheu sempre a rua com tendências de esquerda até chegar ao início da rua das Farinhas. E tcharam! deu logo de caras com a porta da Baldracca (que por acaso é bem engraçada.... Sebastião não tem fotos mas pede para acreditarem que dão conta dela quando a virem).

O espaço é apertadinho mas se o Sebastião entra, entra toda a gente (isto porque o Sebastião é alto, claro). E havia lá resmas de gente dentro (ele atrasou-se ligeiramente mas ainda teve lugar na mesa). O atendimento foi rápido e orientado, imprescindível quando se tem vinte pessoas famintas para atender, tendo toda a gente comido aquilo que tinha pedido... ou pelo menos o Sebastião não ouviu nenhuma reclamação. O Sebastião atacou uma pizza chamada Il gato pardo (as pizzas têm todas nomes de filmes italianos), da qual diz ter gostado bastante, mas à sua volta predominou as pastas. Uma dica captada pelo Sebastião, caso queiram personalizar algum dos pratos, pizza ou pasta, não se acanhem pois a cozinha está receptiva a alterações.

 O sentimento geral, segundo informações recolhidas no local pelo nosso correspondente de guerra Sebastião Rodrigues dos Santos, foi de que os pratos estavam todos muito bons, das pastas às pizzas. E muito bem servidos, por sinal.
 
Depois de muita conversa, e dos atrasados terem também sido servidos, vieram saber se o Sebastião e restantes convivas queriam sobremesa. As opções eram bolo de chocolate, pannacotta e tarte de maçã (aqui o Sebastião diz não ter bem a certeza...estava meio distraído) mas tal foi o consenso em termos de sobremesa que pareceu mal ao Sebastião não pedir pannacotta. Segundo ele, a  pannacotta estava um bocado doce demais para o seu gosto, mas Sebastião, depois de ter olhado em volta, admite que pode ser algo que apenas a ele lhe assolou (todos à sua volta lambiam os beiços de contentamento...).

A seguir veio o café, droga necessária para manter o Sebastião minimamente acordado para o espetáculo que se seguiria, e a conta. Por pessoa ficou 13€, o que incluiu bebidas (desde sangria a coca-cola), prato, sobremesa e café. Tendo em vista a zona onde estavam a comer, o Sebastião acha que pagou um preço muito justo.









Sebastião diz ter gostado do restaurante, quer em termos de comida quer em termos de ambiente (apertadinho mas castiço), recomendando a quem andar pelo castelo e quiser comer bem por um preço justo.


Cantina Baldracca

Rua das Farinhas, nº1(perto do Largo do Caldas)
1100-287 Lisboa

Não têm multibanco!! Levar dinheiro vivo!!

Contacto (Reservas): 918751784 (obrigatório, especialmente para grupos)

2ª a 6ª | 12h às 15h + 19:h às 24h
Sáb | 19h às 24h + Encerra ao Domingo

Fotos roubadas (mas sem malícia) de diferentes locais.








quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Honorato, Av. Liberdade






O Honorato era um dos objectivos do nosso sistema integrado de avaliação de desempenho gastronómico, mas ao contrário de muitos objectivos que se estabelecem neste tipo de sistemas de avaliação, este estava a revelar-se verdadeiramente difícil de atingir.
como canta o outro.....à e tal não posso, à e tal agora não, que joga o Benfica, à e tal agora não, que há engarrafamentos, à e tal agora não, que me dói a barriga, à e tal agora não, que está mau tempo, à e tal a Terra gira ao contrário, à e tal os rios nascem no mar, à e tal à e tal e tal e tal tal tal tal tal....

..... mas nada como a cobrança de dívidas, aliado à vontade de saber novidades existencialistas, para pôr o mundo nos eixos e mover montanhas.....e pronto, Honorato, here we go (went)!

As modas são realmente intrigantes, de repente são os restaurantes italianos, a seguir vêm os cupcakes, depois as padarias, pelo meio as pseudo tascas e tabernas e agora as hamburguerias gourmet. Possivelmente esqueci-me de alguma moda, são muitas e nem sempre causam impacto, nem permanecem em circulação tempo suficiente para ficar na memória, e tenho a certeza que outras surgirão (e assim o mundo pula e avança...). Neste momento, estão então na moda as hamburguerias gourmet ou, então, restaurantes da moda que abraçam esta nova cultura hamburguesa, para se manterem a favor da corrente, e confecionam hamburgueres xpto (acho que existe um hamburguer que muge quando se lhe dá uma trinca...). Naturalmente quando se junta a palavra gourmet, o preço escala um bocadinho de violência mas também ninguém pode dizer que os hamburgueres do H3 sejam propriamente low cost, certo?

Mas falando então do Honorato. Existem vários Honorato espalhados pela cidade - Príncipe Real, Santa Marta e Expo98 - e, caso a coisa continue a correr de feição, outros abrirão, certamente, num futuro próximo. Nós fomos visitar o Honorato de Santa Marta. Porquê? Em parte por uma questão de geografia, em parte por termos falado mais deste Honorato, especialmente depois da minha aventura em busca do Risotto (restaurante que habitava o espaço antes do Honorato).





O espaço é enorme e muito bem aproveitado. Não cederam à tentação de encher cada metro quadrado com mesas, existindo espaço para a formação de uma saudável bolha de privacidade em redor de cada mesa, apesar de terem pessoas à porta que rapidamente (e alegremente) preencheriam essas mesas. Existe uma sala principal, a todo o comprimento do restaurante, e ao fundo da sala umas escadas dão acesso a uma mezzanine onde existem mais mesas.
 
A decoração funciona bem quer para almoços quer para jantares, bastando para isso alterar a intensidade das luzes. Mas realmente ao jantar, a cor escura das paredes e do mobiliário, os espelhos e a fraca intensidade da luz criam um ambiente de bar muito engraçado. A isto chama-se comer hamburgueres com estilo :-)




Depois de sentados (que sem reserva deve ser algo que há-de demorar a acontecer), é olhar para as paredes que as vossas dioptrias alcançam (não estejam à espera de receber uma ementa) e escolher as bebidas e hamburgueres que mais vos tintilam. Um de nós tintilou para o Mostarda, outro tintilou para o Honorato, ambos tintilámos para uma bebida que envolvia limão e gengibre.






Quando os hamburgueres chegaram, houve um momento de pausa. E agora como atacar esta fera? Enquanto se ganhava coragem, fomos comento as batatas fritas que rodeavam a dita, molhando numa mistela branca que vinha junto às batatas. Acho que um prato destas batatas, duas colheradas da mistela e a bebida de limão e gengibre já fariam de mim um cliente contente. Mas foi pelos hamburgueres que fomos ao Honorato, hamburgueres iríamos comer. E assim foi. Depois de agarrar firmemente na fera, foi "só" amansá-la com sucessivas dentadas, até desaparecer.... qual girafa dinamarquesa (too soon?).

Gostámos dos nossos hamburgueres, das batatas e da bebida. Estava tudo óptimo.



E o que têm para sobremesa? Mousse de chocolate.... e? Mousse de chocolate.... e para dificultar ainda mais a decisão....Mousse de chocolate :-) Se no princípio nos pareceu um bocado castradora a lista de opções de sobremesa (Mousse de chocolate....Mousse de chocolate....Mousse de chocolate....), no fim concluí que mais vale ter uma excelente sobremesa que três ou quatro medianas. Sim, a Mousse de chocolate do Honorato é muito boa, com elevado teor de chocolate (portanto potente!) e com uma cobertura de bolacha crocante (a fazer lembrar crumble) que fez as nossas delícias. E nós não nos vendemos com facilidade.

Como disse no início, a questão gourmet faz com que não se possa sair por um preço igual a de um qualquer McDonald's (nem é esse o objectivo) mas também não se deixa propriamente um rim como down payment. A nossa brincadeira ficou por 15€ pp, com entrada, bebida, prato, sobremesa e café. Parece-me bem. Parece-me justo.

Pretendo visitar mais vezes os Honoratos.




Honorato

https://www.facebook.com/HonoratoHamburgueresArtesanais
Honorato Hambúrgueres Artesanais. Rua de Santa Marta, 35
21 315 0452
Seg-Dom 12.00-00.00






   

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

To.B To burger or not to burger, Chiado






Era sexta-feira e tinha sido uma daquelas semanas, difíceis e repletas de trabalho. Não tinha tido tempo de combinar nada mas não me apetecia enfiar-me em casa. Decidi telefonar a uns amigos para saber se tinham planos para jantar. Nada, já estavam em casa! Felizmente, durante a chamada, um outro amigo também telefonou e decidimos todos ir até ao Chiado.

Durante o caminho, e com o Tico e o Teco trabalharem a toda a velocidade no melhor sítio para jantar, lembrei-me que o Sebastião tinha começado um post sobre uma nova hamburgueria no Chiado. Telefonei-lhe e ele deu-me as indicações necessárias. Entretanto uma negociação do mais elevado nível fez com que eu ficasse responsável por este post e o Sebastião pelo post do Honorato. 

Depois de reunidos no Chiado, dirigimos-nos ao restaurante e, sem marcação, conseguimos mesa. O que é algo insólito para uma sexta-feira.




Para entrada, e visto que ainda não estávamos todos reunidos, pedimos cascas de batata frita. Está na moda as cascas de batata frita com maionese. Parece-me uma excelente ideia, a reintrodução de um petisco antigo e a preços simpáticos, porque vá são cascas de batata, ou seja restos.

A conselho do Sebastião, pedimos os hambúrgueres pequenos, visto que a diferença de tamanhos não é significativa, e o pequeno é suficiente para uma refeição, principalmente depois das cascas de batata. Como não podia deixar de ser, pedi o hambúrguer com pimentos de padrón (unos pican outros non - nenhum dos meus picava) acompanhado de batata fritas, daquelas em meia lua (deliciosas!).

Estava tudo muito bom, e acompanhado por um copo de vinho, fantástico!! Perfeito para um final de semana complicado! Óbvio que a boa companhia e a conversa fluida ajudaram a melhorar a experiência.

No final, e com sobremesa, ficou por 15 euros por pessoa.




To.B To burger or not to burger

Rua Capelo 24 - Lisboa
213471046
Aberto todos os dias 12h-23h
https://www.facebook.com/to.Bburger