quinta-feira, 30 de junho de 2011

Atomik, Burgau

    
Entrei no Atomik apenas no último dia em que estive no Burgau, para tomar o pequeno-almoço...este facto deixa-me um misto de sentimentos...pena, muita pena, muita muita peninha por ter sido só mesmo no pequeno-almoço de despedida que me decidi a ir lá...alívio, muito muito alívio por ter sido assim...poupou-me muitas horas na passadeira ou na cross-trainer! :) :)

Pelo que percebi o Atomik é de uma mocinha inglesa ou, pelo menos, é ela que confecciona as maravilhas que por aqui se vendem (mas parece-me que ela é mesmo a dona do espaço). O café tem um ar giro, decoração actual, a montra escrita a marcador branco (pormenor muito engraçado), tem wi-fi grátis (também teria sido bom saber disto antes...).


Tem uma grande variedade de comida saudável q.b. (sopa, saladas, torradas, tostas, sumos naturais, etc), mas obviamente que com uma montra assim....

E a fotografia não faz jus à montra...ao vivo era muito melhor... :)

...alguém escolhe alguma coisa saudável para comer?!

Bem, eu escolhi logo uma tarte de maçã (eu passava todas as manhãs a caminho da padaria e "namorava-a" sempre...); o B. escolheu algo que não conhecíamos que se chama pudim de croissant, bolo típico inglês, confeccionado com croissants e com pudim a ligar a mistura! Eu hoje só penso "mas porquê?!", estava tão bem na minha santa ignorância...nunca tinha ouvido falar de tal coisa, e agora a minha vida virou-se de pernas para o ar e até já pesquiso receitas de pudim de croissant, e já descobri que até é fácil de fazer...

E vem tudo servido assim...com este ar simpático... :)


Vejam lá se não é um primor para se iniciar o dia!? Somos mesmo horríveis...agora a sério, isto foi um dia de loucura; os nosso dias não costumam começar com estes níveis elevados de glicémia! :)

A tarte de maçã era óptima; muita maçã cortada em pequenas fatias, doce q.b., era inofensiva para a "linha". O pudim de croissant...olhem nem sei que vos diga! se calhar, deixo-vos aqui um link de uma receita, experimentem, e depois digam qualquer coisa:


eu vou fazer o mesmo... :)

Nota importante: o pequeno-almoço foi 8 euros para três pessoas...:) é verdade! ainda há sítios assim...


Informações:
Rua Principal
Burgau
9:00 - 22:00
Encerra às quartas
 

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Esquina, Burgau

 
E continuamos na onda algarvia....

O Esquina é um restaurante todo "pipoca", muito recente e propriedade de um algarvio que foi emigrado e regressou casado com uma estrangeira toda giraça. Renovou o local, deu-lhe um ar todo giro e fez dele um sítio mais formal para se jantar em férias...claro que isso não invalida o belo do inglês/alemão/holandês de ir de meia e sandália para jantar... :)


As especialidades da casa não se ficam só pelo peixe grelhado...abundam as cataplanas e as espetadas, atum, salmão, etc, etc. O couvert é composto de pão, azeitonas, manteigas, patés e cenourinhas...e, atenção, é cobrado por pessoa. As nossas escolhas ficaram-se por Atum de Cebolada e Espetada de Tamboril, que estavam ambos deliciosos, muito bem servidos, com excelente aspecto. Aqui ficam:


Depois tivemos uma pequena desilusão no Esquina...

Todos sabem que os autores deste blog são fãs incondicionais de sobremesas! Onde é que um restaurante não pode falhar?! nas sobremesas, claro! nós os três temos 150% de hipóteses de sermos diabéticos :)

Quando pedimos a carta das sobremesas e vemos que ela se compõe de quatro...quatro?! variedades...a saber: gelado, mousse chocolate, pudim flan e tarte de natas. Oh, meus amigos...estão a gozar comigo, certo?! Nem uma pannacotta, uma tarte de alfarroba, amêndoa, figo, whatever que seja algarvio, nem um singelo cheesecake...

"Prontos", como somos gulosos e não conseguíamos sair sem um docito, lá pedimos uma singela tarte de natas que, em abono da verdade, estava muito boa, doce q.b., boa consistência, quantidade de bolacha no ponto! Mas ficámos assim um pouquito desiludidos...

E depois dos cafés habituais, lá veio a nossa conta que se ficou pelos 19 euros/pp. Adequada ao que foi consumido, ao sítio, à qualidade do espaço. De notar que o casal responsável pelo restaurante é quem está também a atender, é muito simpático e prestável. De notar também que o sítio estava infestado de estrangeiros...fomos a única família portuguesa naquela noite...Allgarve rules!



Informações: 
Rua Principal
Burgau
8650-117 Vila do Bispo
Tel.: 282 695 545
18h - 23h
 
 

terça-feira, 28 de junho de 2011

A Barraca, Burgau

  

A Barraca é um dos restaurantes mais antigos desta pequena vila piscatória no Algarve. Para quem não conhece, o Burgau situa-se a cerca de 10 Km de Lagos e tem uma praia bastante acolhedora, tendo sido o meu poiso de férias este ano. Na Barraca come-se preferencialmente peixe fresco grelhado, mas parece que também são muito boas as já famosas cataplanas.


O restaurante está localizado ao fundo da Rua da Praia, a poucos metros da praia, e tem uma decoração bastante simples. Confesso à partida que não gostei muito do atendimento. Pouco atencioso, meio a despachar, e é verdade que o restaurante é pequeno e estava quase cheio, mas também acho que não há necessidade de tanta pressa...

Nós optámos por um "robalão" de mar grelhado, que deu perfeitamente para 2+1/2, até porque os acompanhamentos (legumes e salada) são servidos em quantidades bem generosas! :) O peixe estava excelente...fresco, bem grelhado, do melhor! Para completar um pouquinho mais a refeição (todos nós sabemos que o peixe "não puxa carroças"), escolhemos uma tarte de figo e uma tarte de natas e limão para sobremesa. A tarte de figo estava divinal...já a tarte de limão nem por isso (fiquei na dúvida até ao fim se não seria industrial...o que não é bom sinal).

Pois que esta bela refeição de peixe fresco nos ficou em 26 euros/pp! Não achei especialmente caro se tiver em conta a qualidade do que consumi...a nível de serviço realmente será a melhorar...

Deixo-vos duas fotos da praia do Burgau (vale bem a pena...).




Informações:
Largo dos Pescadores, n.º 2
Burgau
Tel.: 282 697 748
Encerra às quartas

Nota: Foto do restaurante in http://www.thehut.burgau.co.uk/

   

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Afonso, Mora

  
  
Com o pretexto de mostrar os peixinhos de rio às crianças, fizémo-nos à estrada e fomos para paragens alentejanas. E quem vai ao Alentejo tem de provar as suas iguarias...e quem melhor para uma boa recomendação?! uma natural da terra, pois claro! :) "Saiu-me na rifa" uma colega que é de Mora e assim que eu enviei uma mensagem em jeito de socorro, me respondeu prontamente... Mora = Afonso! :)
 

O Afonso iniciou-se nestas lides em 1954 como café, acabando por estender a sua actividade à medida que ia havendo espaço disponível na vizinhança. Hoje em dia mantém em funcionamento ambas as vertentes, café e restaurante, totalmente independentes no espaço físico. Parece que mais que uma história de negócios, esta é também uma história de amor entre Afonso e Bia, e respectiva família. D. Bia, que ainda hoje está à frente da cozinha do restaurante, parece ser a grande obreira da qualidade de tudo o que ali se faz.


A decoração do restaurante é bastante tradicional, sendo totalmente adequada ao tipo de comida servida e à localização. Junto à nossa mesa (calhou-nos uma redonda para 8 pessoas...gostei muito...prefiro assim quando vamos em grupo) está uma parede onde se exibem variados prémios ganhos ao longo destes anos todos de actividade.



Nós não nos fizémos rogados e provámos um pouco de tudo! Era fim-de-semana de quatro dias, e após alguns quilómetros de fila no auto-estrada, chegámos lá um pouquito esfomeados, e portanto, vai de "atacar" as várias entradas que nos foram disponibilizadas, a saber: pão, azeitonas, queijo, presunto, salada de ovas, salada de orelha, carne porco frita. Que dizer...uma delícia! Querem ver, querem ver....


Para pratos principais vieram para a mesa: cabrito assado no forno, açorda de bacalhau, açorda de perdiz (uma das especialidades da casa) e uma dourada grelhada. Tudo servido em doses generosas, com excelente aspecto, e de sabor ainda melhor!


Para completar esta "doideira" gastronómica lá vieram umas sobremesas de cariz conventual, daquelas mesmo puxadinhas ao doce, com muito ovo, açúcar e amêndoa! Um must...

Eu sei, eu sei...não há fotos das sobremesas...falha grave! shame on me! mas eram 4 adultos vs 4 crianças na mesa...sorry, mas não dá para tudo! :)

Bem, agora vamos falar daquela parte mais difícil, que existe sempre no final das refeições, onde, pois enfim, nós temos de pagar a alguém por aquilo tuuudo que comemos!

É verdade, vamos admiti-lo...foi um pouquito doloroso! Para começar, devo dizer que os pratos rondam os 14-18 euros, ou seja, é já algo puxadote...por isso, a partir daqui, e depois do que descrevi podem começar a imaginar a "desgraça"! Pronto, a brincadeira ficou em cerca de 33 euros/pp (neste caso e dado o número de crianças na mesa, dividi a conta pelo número de pratos principais pedidos). Claro que as entradas consumidas aumentaram bastante o valor da conta, por isso, se quiserem algo mais contido é não dar asas à imaginação logo ao início, e guardarem-se para os pratos principais que valem bem a pena! :)


Informações:
Rua de Pavia, 1
7490-207 MORA
266 403 166
Encerra às quartas


E como nem só de restaurantes e comida vive o mundo, aqui vai a minha opinião sobre o Fluviário de Mora: edifício muito giro, aquários giros, peixinhos engraçados, coisa pavorosa que dá pelo nome de  anaconda (eu passei de lado e não olhei mas infelizmente tenho algumas fotos do monstrinho no computador), piranhas, lontras de rio (também não sabia que existiam), mas pequeno, pequeno, e como tal, o preço do bilhete um pouquito exagerado para o tempo que previsivelmente passaremos lá dentro... 2 adultos + 1 criança = 18 euros.... 
O fluviário está em ampliação, por isso, aguardem mais uns meses e pode ser que a visita seja mais produtiva! Aqui ficam algumas imagens:


Como nos despachámos cedo do Fluviário ainda sobrou tempo para uma voltinha à barragem de Montargil!



Nota: fotos da Joana, come a papa e do Lifecooler.

   

domingo, 26 de junho de 2011

Linha d'água, Lisboa

  
   
Finalmente temos o Verão, com calor e mais calor por cima de (surpresa!) ainda mais calor. Chegou a hora de apanhar banhos de sol, comer (ainda mais) gelados e descansar à sombra da bananeira. Um local fantástico para se beber algo fresco nestes dias de secura é à sombra da esplanada do Linha d'água.

Esta esplanada fica situada no Jardim da Amália Rodrigues, mesmo ao cimo do Parque Eduardo VII. É um espaço bastante agradável e muito recatado, fica meio escondido por detrás do Corte Inglés, longe do rebuliço da cidade. A esplanada fica debruçada sobre um espelho de água, que se encontra rodeado por pequenas colinas verdejantes ou socalcos sustidos por pequenos muros de pedra. O lago e, consequentemente, a esplanada ficam assim como que isolados do intenso tráfego humano e de veículos que caracteriza esta zona lisboeta. A Linha D’Água nasceu pelas mãos do arquitecto paisagístico Gonçalo Ribeiro Telles. 

Funcionando simultaneamente como cafetaria, restaurante e esplanada em modo self-service, a Linha D’Água é uma opção para os amantes de cenários relaxantes, onde se pode ler um livro, jornal, contemplar o infinito num reflexo ou conversar sossegadamente com alguém. A comida servida durante o almoço é simples mas bem confeccionada, em quantidades salutares e com uma variedade razoável (a minha beringela estava óptima). 

O bom desta esplanada é que pode ser visitada todo o ano e fica mesmo no centro da cidade, com óptimos acessos e transportes.







Caso estejam fartos de estar sentados na esplanada podem sempre espojar-se nos relvados que circundam o lago e passar pelas brasas.... recomendo... é muito relaxante e revigorante :-)



Info 
Rua Marquês de Fronteira | Jardim Amália Rodrigues
1070 - 295 Lisboa

Acessos: Metro S. Sebastião.
Horário de Funcionamento: 2ª a Sáb - 10:00 às 24:00 | Dom - 10:00 às 20:00




quarta-feira, 15 de junho de 2011

Jardim do Torel, Campo Santana

   
   
Nos dias que correm, para cada dia em que se sente que o Verão está quase, quase a chegar, existem outros em que sentimos que ainda vai demorar para que o alcatrão fumegue, os corpos se virem como sardinhas em brasa nas praias da linha e os gritos a vender bolas de berlim (sempre quentes) ou gelados semi-derretidos ("é pró menino, é prá menina") passem a fazer parte do dia a dia de muita gente. Existem ainda outros dias em que pensamos que o mundo vai acabar debaixo de uma pedra de granizo :-)

Mas quer em dias solarengos quer em dias mais farruscos, uma esplanada pode tornar-se o local certo para nos desfazer-mos dos despojos do dia ou da semana e ganhar novo fôlego para os dias que se seguem.

 
A descoberta do Jardim do Torel não foi propositada mas desde então tenho espalhado a sua existência e a toda a gente aconselho uma visita. Este jardim fica junto ao Campo Mártires da Pátria ou Campo Santana, onde o estacionamento à superfície requer alguma sorte ou engenho (podem sempre fazer uso do parque subterrâneo) mas se forem utilizadores dos transportes públicos e das vossas pernas conseguem chegar pelo elevador do Lavra, autocarrro ou a pé com relativa facilidade. No Campo Santana, não deixem de ver o monumento estranhamente arrepiante dedicado ao Dr Sousa Martins (só vos digo que envolve lápides....).

Olhando de frente para o edifício da Faculdade de Medicina, o Jardim do Torel fica no fim de uma rua estreita para o lado direito deste edifício, por detrás do que um dia foi o Instituto Câmara Pestana.


A entrada do jardim não podia ser mais imponente e enganadora... Faz parecer que o jardim é pequeno quando na verdade é relativamente grande e tem uma vista fantástica sobre Lisboa. Para além de relva e bancos de jardim, foi no Torel que vi pela primeira (e única) vez bancos para uma pessoa, com apoio para as pernas e virados para o sol. Fantástico!





Descendo uma escadaria ao fundo do Jardim, vamos dar a um terraço onde nos deparamos com uma fonte imponente e uma convidativa esplanada. Não peçam muita diversidade no menu desta esplanada pois não é o objectivo, ela está aqui para matar a sede e, eventualmente, saciar alguma fomeca que possa existir com sandes, tostas e afins, enquanto apreciamos a vista proporcionada pelo terraço. Esta esplanada tem como único senão, escassez de chapéus de sol :-)

Bons passeios!


Mais sobre o Jardim do Torel: Link1 | Link2 | Link3
Video do Youtube: video
(é verdade... fiquei muito surpreendido com a descoberta)

Horário: Aberto todos os dias das 7 às 19 horas

Onde: Rua Júlio de Andrade, 1150-206 Lisboa