quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

La Paparrucha, Lisboa

Antes de poder falar deste tão badalado e reconhecido restaurante é imprescindível que eu faça sentidos agradecimentos a três entidades superiores, que fizeram com que o meu último dia de 4,5 dioptrias fosse celebrado da melhor maneira! Há dias em que tudo corre como planeado (pontos de encontro, estacionamentos, filme e restaurante) - não são os mais frequentes, mas enfim se tudo corresse sempre como gostaríamos, de que nos queixaríamos nós? - de tal forma que acabei o serão com um sentimento de "barriga cheia" e um sorriso de contentamento nos lábios.

Então aqui vão os agradecimentos....
Obrigado Spike Jonze! Por teres realizado um pequeno grande filme chamado "Were the wild things are", está espectacular! Não ligues para o que os críticos escrevem (especialmente os portugueses :-), tu estás lá bacano! Keep the good work. Obrigado sininho! Por teres sido célere na reserva do restaurante e por teres sido uma excelente companheira de viagem! Obrigado Time Out! Por seres quem és e desponibilizares todo um manancial de informações culturais e de restauração mui relevantes para a vida social de um lisboeta e, ainda mais relevante, vales de desconto que permitem  ir a locais onde só alguns conseguem :-)
E em relação ao restaurante? Não poderia ter corrido melhor! A sala tem uma decoração que faz com que os comensais se sintam confortáveis, permitindo uma conversa amena sem grande interferência dos vizinhos (podendo mesmo dizer-se que tem um grande potencial ró-mântico) mas, no fundo, tudo fica ligeiramente desfocado quando se dá conta dos janelões que forram uma das paredes da sala e se dá conta de uma vista verdadeiramente breathtaking! Basicamente é ter a vista do miradouro de São Pedro de Alcântara dentro de casa! E se tiverem a (nossa) sorte de ficarem numa das mesas encostadas às janelas, então cada garfada tem como acompanhamento um momento de comtemplação :-)

A comida estava pré-destinada (o voucher Time Out envolvia um menu que incluía couvert, entrada, prato de carne e sobremesa) e estava tudo excelente!  A carne (Bife de chorizo a "La Paparrucha") era em quantidade e qualidade, o que nem sempre se consegue, sendo acompanhada de batata assada e espinafres. A sobremesa (panqueca com doce de leite) também estava excelente!

Com bebidas não alcoólicas e café pagámos 17€ por pessoas, mas sem o voucher teríamos pago por volta de 27€. Acho que não é novidade para ninguém que La paparrucha é um restaurante onde se paga, e bem, a comida e a vista.... mas pelo menos o dinheiro dispendido tem um rertorno à medida.

Para um dia de loucura ou com um voucher, não percam a possibilidade de experimentar este restaurante :-)

Localização
Rua Dom Pedro V 18 - 20, 1250-094 Lisboa
Telef. 213425333
Horário: 12h às 15h e das 19h às 02h
Encerramento: Não encerra

Napoli, Costa da Caparica

O Napoli é um velho conhecido (pelo menos 12 anos), mas que entretanto e por razões várias nunca mais tinha sido visitado. O restaurante situa-se numa transversal da Rua dos Pescadores na Costa da Caparica, e tem um ambiente agradável, intimista e de média luz. Não tem uma decoração fantástica, mas para um simples jantar para desanuviar a mente serve perfeitamente o propósito.

Como o nome indica é um restaurante italiano, com uma ementa curtinha (pizzas, algumas massas, lasanha, canelones, e pouco mais). Mas o que ontem tivémos oportunidade de provar estava tudo ok, bem apaladado e cozinhado, sem grandes pretensões. Além do couvert pedimos umas tradicionais fatias de pão com manteiga de alho e queijo, duas massas que estavam muito boas (Raviolli napolitana e Farfalle fiorentina), e uma sobremesa (fico sempre algo insatisfeita se não acabar com uma coisa doce...:)). A minha escolha recaiu no Crepe Napoli, e acho que escolhi muito bem...um mega crepe, com gelado, chantilly, fruta, e regado de chocolate quente! Até o B. que estava muito cheio, muito cheio, não resistiu a dar uma ajudinha primeiro e depois a dividir comigo!

O saldo desta conta ficou em 15€/pp. Não me pareceu muito, tendo em conta que comemos muito bem! Fica aqui uma alternativa para conjugar com um passeio na Costa da Caparica ao fim da tarde (nas tardes de bom tempo, claro!)

Rua das Flores - Costa da Caparica
Tel. 212 903 197
Aberto todos os dias das 19:00 às 23:30.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Swagat, Lisboa

Acho que não existe muito a dizer deste restaurante indiano, Swagat, para além de que é simples, discreto e delivers o que lhe é pedido: comida indiana de boa qualidade. Ao entrar, ficamos logo a saber que estamos num restaurante indiano, pois o cheiro a especiarias entra, sem pedir licença, pelo nariz.

Com um sorriso nos lábios, é nos apresentada uma carta com os diversos pratos disponíveis (têm pratos vegetarianos) que não fogem muito ao que é esperado. Comemos Korma de frango (prato aromatizado com amêndoas, cozinhado com natas frescas, coco e iogurt), Chicken Melai Kebab (peito de frango, com natas e queijo grelhados em forno tandoor) e Jeera Rice (arroz basmati frito com cominhos). Estava tudo muito bom.

Com bebidas não alcoólicas e uma sobremesa, pagou-se 12€ pp. Restaurante sem grandes pretensões, ou melhor, apenas com uma, servir boa comida a quem entra. Pretensão atingida.

Contactos
Rua Guilhermina Suggia 2-D-r/c Lisboa
1700-226 Lisboa (Alvalade)
Telef. 218 483 721
Encerramento: não encerra
Horário: 12h00-15h00 e 19h00-23h00

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Sommer, Lisboa



Os excelentíssimos contribuintes deste vosso blog juntaram-se a mais uns amigos e, na semana antes do Natal, realizaram um jantar no tão aguardado e afamado Sommer. Escusado será dizer que a conversa esteve muito boa e animada, debateu-se a problemática da atribuição de nomes a crianças e outros assuntos, alguns deles um pouco escatológicos (como diria o Sebastião), ou não tivesse a maioria da mesa uma formação, um pouco, como direi, dada ao fluído corporal.

Bem, voltando ao assunto dos restaurantes. Como já tínhamos noção de que este restaurante era "para o caro", decidimos não pedir entradas, ficando por aquilo que havia na mesa, que era uma selecção variada de pães e azeite.

Mas, num acto de quase loucura pedimos vinho, como havia na mesa mais pessoas que bebiam, eu e o Sebastião abandonamos o nosso normal "vinho a copo", e decidimos pedir uma garrafa. Ah valentes! E não é que valeu a pena, pelo menos pelos salamaleques que envolveu a chegada do vinho à mesa, ou seja, um dos empregados colocou na mesa um pequeno recipiente de vidro com uma rolha de cortiça. Instalou-se, assim, o primeiro debate da noite. Pelos vistos, o objectivo é mostrar que o vinho foi aberto naquele momento. Mas, duas questões surgem-me: primeiro, o que é feito do bom e velho abrir a garrafa à frente do cliente, e depois o aparecimento de uma rolha não implica que a garrafa tenha sido aberta naquele momento. Não estou com isto a pôr em causa a honestidade do Sommer, só achei algo bizarro o aparecimento da rolha antes da garrafa. No entanto, tenho que confessar que não sou muito dada à enologia.

Em relação ao prato principal as escolhas da mesa variaram entre três pratos: Risotto à Bulhão Pato com Camarão, Lombinho de Porco Preto com Mostarda Dijon e Mel, sobre Cous-cous de Chouriço e Grelos e Tranche de Garoupa com Batata Confitada em Azeite de Alecrim e Escabeche de Pimentos. A minha escolha recaiu sobre o risotto que estava bom, apesar da quantidade ser um pouco diminuta, para uma senhora como eu, que pretende manter a linha, até nem fiquei com fome, mas acredito que aos homens lhes tenha ficado a saber a pouco.

A escolha de sobremesa foi quase consensual, Mousse de Chocolate Praliné, só o Sebastião é que experimentou o Coulant de Chocolate com Amendoim e Sorbet de Limão. À semelhança do prato principal estava bom, e com isto quero dizer que cumpria o objectivo, mas não fiquei surpreendida pelos sabores ou especialmente maravilhada.

No final, 27 euros por pessoa, ai!, esta doeu. Mesmo retirando o vinho, a conta dificilmente vai abaixo dos 25 euros por pessoa. Por isso, apesar de não ter nada a apontar à comida, ao serviço, ao ambiente, também não consigo destacar nada como sendo muito bom, e que me leve a voltar ao restaurante, ou a pagar esta conta simpática pela experiência.


Sommer
Rua da Moeda, 1-K, Lisboa
213 905 558
Só serve jantares e encerra aos Domingos.

_______________________

Pois é verdade....a quantidade de comida é um pouco reduzida. Eu que optei pelo risotto e na sobremesa pela Mousse de Chocolate Praliné (que estava muito boa), tive a sensação de que a "medida" utilizada para encher os pratos é a de sobremesa, mas que para o prato principal colocam num prato maior! A sério, a quantidade de mousse era igual à de risotto! :) o que não foi mau de todo, porque eu sou dada à guloseima....mas enfim!

Joana, come a papa
________________________

Em relação ao restaurante, gostei muito da decoração e do ambiente quente que ele originava, um bocadinho de sommer neste winter tão rigoroso (estava mesmo a pedi-las), mas a comida não correspondeu às expectativas, o que torna o regresso a este restaurante algo muito improvável. A sobremesa até era boa mas a tranche... muito mal temperada.... e pagar 27€ por má comida, prefiro o Mac onde só pago 2€.

Sebastião