quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Matateu, Estádio do Belenenses, Lisboa









Sebastião Lucas da Fonseca, conhecido como Matateu, nasceu a 26 de Julho de 1927 em Moçambique e morreu no dia 27 de Janeiro de 2000 no Canadá. Foi o primeiro grande jogador português nascido em África, antes da chegada de Eusébio. Matateu foi um jogador de topo no Belenenses e na Selecção Portuguesa de Futebol. (Fonte: Wikipédia)

Como a pequena biografia descreve, Matateu foi um importante jogador do Belenenses e, por isso, nada melhor como nome para um restaurante dentro do estádio do Belenenses.

Para mim chegar ao restaurante foi logo um desafio, por isso, se quiserem lá ir, aqui fica uma dica. Na Avenida do Restelo, virem na cortada que diz Capela, que fica logo a seguir ao estádio, sobem um pouco passam, imagine-se, por uma capela e entram nos portões do estádio (é possível estacionar dentro do estádio). 

O Matateu é explorado pelo apresentador João Manzarra, esta pequena nota é apenas para vos livrar da figura que eu fiz quando vi o Manzarra, pois disse: Olha, está ali o Manzarra! Ao que alguém respondeu: Óbvio, ele é o dono. Por isso, vão lá já com esta informação. Um à parte, o João Manzarra é muito simpático e sempre preocupado se está tudo bem, se estamos a ser bem servidos, e tudo, e tudo. 

Relativamente à comida, o nome não engana e a moda atual dos petiscos também não, é um restaurante de petiscos, com a ementa normal (mas deliciosa) que estes restaurantes já nos habituaram: ovos mexidos com farinheira, chouriço, pica-pau, etc.

A decoração é do tipo industrial mas confortável, e existe ainda uma esplanada, para os dias de bom tempo que irão regressar. O atendimento é muito simpático e atencioso, não só do dono, mas também dos empregados. 

Quanto ao preço, fantástico, menos de 8 euros por pessoa, o que é muito, muito bom.


Matateu
Estádio do Restelo - Lisboa
Tel: 21 301 1188
Ter - Qui: 12:00 - 0:00
Sex - Sáb: 12:00 - 2:00
Dom: 18:00 - 23:00 ou 14:00 - 21:00 (dependendo se virem no facebook ou no site)
http://www.petisqueiramatateu.pt/







Nota: foto retirada do facebook do Matateu.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Sabores da Madeira, Baixa





Longe estava eu de pensar que acabaria o meu dia a jantar no Sabores da Madeira e, ainda mais surpreendente, que me encontraria no meio de uma turbe de gente a tentar lutar pela vida. As sexta-feiras 13 são tramadas...




Não sei como nem porquê, quando me perguntaram se queria ir ter à Baixa e dar um giro pela Vogue Fashion Night Out, eu disse ok. Em abono da verdade até correu relativamente bem (e até foi engraçado ver os bandos de pássaros e aves raras que migravam de um lado para o outro pelo eixo Chiado/Avenida da Liberdade), até termos virado para a Rua Garrett... fez-me lembrar o Optimus Alive.... não se via o que se pisava (ou quem)... e para mexer era preciso alguma persitência e insistência. Nada que um encontrão aqui, uma pisadela acolá e uma cara de quem morde se não me deixam passar não resolvesse.
 
O Sabores da Madeira, surgiu no início da noite, quando estávamos a pensar onde íamos jantar mas não nos queríamos meter na entupida Rua do Carmo. Atalhámos caminho pela rua do Ouro e, poucos passos tínhamos dado, quando parámos ao ver uma publicidade a falar em Madeira e bolo do Caco. Olhámos para o interior e pareceu-nos engraçado (com aspecto de novo). Após alguma conversa, entramos... queremos....outras opções.... e o bolo do caco na Madeira é sempre melhor.... decidimos entrar. E ainda bem.


 
 
A decoração é simples mas bem conseguida, fazendo alusões à região onde foram buscar o nome do restaurante e, mais importante, o que oferecem a quem os visita: comida e bebidas tradicionais da Madeira.
  


Depois de alguma divagação na escolha do que iríamos comer e beber, ficámo-nos por bolo do caco com manteiga de alho, prego no bolo do caco, poncha de limão e poncha de maracujá. As ponchas estavam óptimas e o prego no bolo do caco excelente. Devo já avisar que nunca estive no arquipélago da Madeira por isso não sofro de problemas de comparação... gostei e pronto... quem já foi à Madeira, e foi a Valhalla e voltou quando lá comeu o bolo do caco, baixem as vossas expectativas para não sofrerem desilusões. Volto a referir, não que o bolo do caco aqui servido não seja bom, mas competir com recordações boas é sempre lixado.

Como fã do bolo de mel da Madeira, não resisti a pedir uma fatia. Humm.... já comi melhor... desconfio que este exemplar já estava ao ar a algum tempo, tendo ficado assim para o seco... espero que para a próxima corra melhor.

O atendimento.... todos muito simpáticos mas notava-se que tinham aberto à pouco tempo. A espera para ser atendido e a confusão dos pedidos foi o que mais saltou à vista (e foi sentido na pele), mas espero, muito sinceramente, que a dinâmica do atendimento venha a melhorar.

Gostámos do local, do que comemos, do que bebemos por isso voltar é uma forte possibilidade (para além de que ainda existem outras iguarias para experimentar). A conta rondou os 5€ pp.




Sabores da Madeira

Rua do Ouro 279, 1200 Lisbon, Portugal

Domingo a 5ª: 8:30 | 21:00
6ª e Sábado: 8:30 | 23:00
Facebook
213462700 / 966604180



domingo, 22 de setembro de 2013

A casa do gelado, Av. Roma






Como é possível minha gente! As vezes que já trotei pela Avenida de Roma e nunca me tinha dado conta da existência de uma gelataria ali, ali mesmo no meu caminho! Pior, ter amigos de longa data a morar nas traseiras da dita Avenida e só agora me fazem constar a sua existência.... não há justiça neste mundo. Joana, foi preciso teres nascido ;-)

A Casa do Gelado já existe desde 1981 (pelo menos é o que diz o logotipo :-) mas tem ar de ter aberto à meia dúzia de meses. Isto porque, segundo me disseram as minhas fontes pouco fidedignas, a gelataria sofreu grandes obras de remodelação. Do meu ponto de vista, não conhecendo o aspecto anterior, a remodelação correu muito bem. 

A decoração é descontraída mas classy, como a zona assim o exige, mas (e digo com todo o amor e carinho) talvez um pouco anónima... mas vou olhar com redobrada atenção quando lá voltar.
Apesar da Casa não ter muitos metros quadrados, conseguiram arranjar espaço para algumas mesas no interior e, quando o tempo o permitir, existe sempre a esplanada, para poder comer umas das taças ou crepes que vi passar e me pareceram deliciosos. As minhas bolas (pun intended) foram de chocolate (daquele mesmo à séria... parecia que estava a comer cacau em pasta) e gianduja, e estavam excelentes!


Aspecto antigo....

Como podem ver pela imagem (obrigado Google Maps por não seres actualizado com muita frequência...) era muito difícil perceber que se estava a passar por uma óptima gelataria e não mais um (também fantástico certamente) café da Avenida de Roma. Suspeito que os habitantes desta zona queriam manter secreta esta gelataria... egoístas é o que são :-) A geladaria tem agora um aspecto que sobressai mais facilmente mas continuando emparedada pelos mesmos cafés... mas não há nada que enganar, fica antes de se chegar à rua que dá acesso às piscinas do Areeiro (de quem vem do cruzamentos da avenida dos EUA).




Sim, foi mesmo uma tarde de descobertas.... daquelas de rabo de fora ou que não mordiam.... eu a passar ao lado delas e elas não miavam ou mordiam. Quem diria que existia um parque gigantesco nas traseiras da avenida de Roma? Eu não. Mas ao lado do Fórum Lisboa, Antigo cinema Roma,

Garanto que é óptimo para crianças, tal era a multidão deles que pulavam por tudo quanto era sítio e admito que também se consegue dormir uma bela soneca à sombra das árvores (apenas possível a quem se conseguir abstrair ao ruído de fundo).
Portanto já sabem, gelado, parque, soneca :-)



Casa do Gelado

Avenida de Roma, 28 H
1000 Lisboa

Horário | 2ª feira a Domingo das 13h às 23h
Esplanada




terça-feira, 17 de setembro de 2013

Júlio dos Caracóis, Lisboa







Ainda no espírito de comemoração do término das férias de verão, sim porque depois vêm as férias de outono e as férias de inverno (oh meu Deus!, lá vou ter de ir à neve outra vez...), e assim sucessivamente. 

Fui pela primeira vez (falha muito grave!) ao Júlio dos Caracóis.

Pois, eu esperava uma tasca. Se calhar o Júlio dos Caracóis já foi uma tasca mas agora não o é. Actualmente é um restaurante enorme com decoração moderna e grandes ecrãs para se poder acompanhar, a avaliar pela decoração, os jogos do Sporting. 

No Júlio dos Caracóis come-se, pasmem-se, caracóis. Come-se outras coisas é verdade, até é possível pedir uma refeição, mas para quê?!?

No entanto, como no grupo havia uma pessoa que não comia caracóis, pedimos um prato de caracóis e um de rodízio de enchidos, o que foi demais para 3 pessoas.

Um ponto positivo é o atendimento, muito simpático e atencioso. O ponto negativo, e estranho nos dias de hoje, tem a ver com o facto de a zona de fumadores e a de não fumadores estarem juntas, o que num restaurante tão grande era desnecessário, e como ficámos na zona de fronteira era como se tivéssemos na zona de fumadores.

No final a conta ficou 13 euros por pessoa, o que me pareceu um pouco demais visto que não houve vinho.

Resumindo, é um bom local para ir com um grupo grande de amigos, sim porque o barulho na sala é enorme por isso o grupo pode contribuir com todo o entusiasmo para a causa. Os caracóis, ex-libris da casa, são efectivamente bons assim como o resto da comida.







Júlio dos Caracóis

Rua Vale Formoso de Cima 140 - B Lisboa
218 596 160
http://juliodoscaracois.com/

Horário:
Verão: Abril até à 1ª semana de Setembro
Terça a Sexta-Feira das 12:00 até às 15:00 e das 16:45 às 22:30 Horas
Sábados, Domingos e Feriados das 16:45 até às 22:30 Horas

Inverno: Outubro a Março
Segunda a Sábado das 10 às 23 Horas





quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Restaurante Al-Mandan, Hotel Melia Aldeia dos Capuchos, Caparica







A desculpa foi comemorar o último dia de férias (como é possível alguém comemorar tal coisa)!!! Assim, para comemorar este dia tão triste, fomos almoçar ao Meliá dos Capuchos. Já há muito que queria entrar no Meliá, só para espreitar e ver as vistas e o interior, e tal, e tal. O almoço foi a desculpa perfeita.

O interior do hotel cumpre tudo o que o exterior promete, um hotel de linhas simples e minimalista, mas com muito bom gosto, e uma vista fantástica. 

No piso entre a recepção e a piscina encontra-se o restaurante Al-Mandan. O restaurante funciona apenas com serviço de buffet no qual se encontra incluído a bebida e o acesso ao buffet. 


O buffet é constituído por variadas entradas e saladas, dois pratos principais, duas sobremesas e fruta. Os pratos eram bifinhos com natas e cogumelos, que não experimentei, e pescada em cama de cebolada e coberto com broa, que estava muito bom.  As sobremesas eram mousse de chocolate e leite creme (coberto com caramelo e não açúcar queimado, ponto negativo).


As bebidas à escolha são vinho tinto ou branco, refrigerantes e água. Vários pontos a favor, mesmo que não se escolha água, é nos servido um copo de água e as bebidas são repostas sempre que o copo se esvazia. O que nos leva a um ponto muito positivo do restaurante, o serviço.

O serviço é muito simpático e atencioso, mesmo! Só para verem o requinte da coisa, os empregados trocaram de turno durante o almoço, e o empregado que entrou ao serviço veio apresentar-se e perguntar se precisávamos de algo.

O buffet fica por 20 euros por pessoa. Não é especialmente barato mas tendo em conta o local, a quantidade, e vá, qualidade da comida, e o atendimento merece o investimento.




Restaurante Al-Madan

Largo da Aldeia dos Capuchos
Caparica
Tel: 212 909 000