quarta-feira, 29 de julho de 2015

Restaurante das Marés, Altura




O Restaurante das Marés está situada na bela praia de Alagoa, em Altura. Dos vários restaurantes que existem em Altura, este foi-nos recomendado por uma amiga de há muitos anos, de Castro Marim. E nós, como é sabido, gostamos muito de seguir as recomendações dos "locais" e por isso, no dia que escolhemos para almoçar na praia, o Marés foi a nossa escolha! Além disso, tem uma zona exterior muito agradável, virada para a areia e para o mar mas convenientemente abrigada do sol.
 
 



No interior, a decoração é simples e tradicional, sem pretensões contemporâneas; no entanto, dado a excelente temperatura que estava, ficámos no exterior.




Começamos por comer o couvert composto pelo pão, as azeitonas e as manteigas e afins.




O Marés, tal como é expectável num sítio destes, tem uma lista imensa de peixe fresco. Nós já tínhamos almoçado peixe grelhado na véspera e o B. anda sempre com o arroz de lingueirão debaixo de olho, por isso a escolha não poderia deixar de ser arroz de lingueirão. Para os miúdos escolhemos filetes de pescada com salada e molho tártaro.

Quando os pratos chegaram à mesa pareceu-nos logo que tínhamos feito uma escolha acertada. Começámos a comer e sim, tinha sido uma excelente escolha! ;)

Aqui estão:






Arroz no ponto certo de cozedura e sal, filetes de peixe branquinho e muito saborosos, e o molho que acompanhava os filetes uma verdadeira delícia. Tudo em bom!

Optámos por não comer sobremesa aqui no Marés. Ficámos apenas pelos cafés. Ainda queríamos dar uma volta pelas lojas da rua de Alagoa (havia uma loja que eu queria espreitar, que me parecia cheia de potencial...) e portanto a sobremesa foi aqui.

Pratos principais, couvert, bebidas, cafés, ficou tudo pelos 37,00 €. Claro que existem opções mais económicas para almoçar mas nós gostámos muito deste sítio e, mais ainda, do que almoçámos! :)

A localização também ajuda muito! Mesmo na praia, o que permite que enquanto se aguarda pelo almoço ou jantar as crianças pode andar a brincar na areia, sempre no nosso campo de visão.
 
 


Restaurante das Marés | Praia de Alagoa
Tel. 281 956 563

 Apesar de um bocadinho fora do âmbito do 12h30, aproveito ainda para recomendar vivamente Altura para umas belas férias de Verão. Este é para mim o "melhor Algarve"! Praias grandes, prédios baixos ou vivendas, mar calmo, água quente... enfim, um conjunto de características que faz deste local um sítio fantástico para umas férias em família. Têm ainda ao dispor o Eurotel Altura, um excelente hotel para famílias. Já estivemos lá no ano passado nas férias da Páscoa e adorámos. Infelizmente no Verão tem um preço que é para nós proibitivo; mas para quem possa, aconselho! :)

As nossas férias em Altura terminaram há um mês... e as saudades são muitas, devo dizer. Aproveito para partilhar convosco um pouco daquele que foi o nosso Algarve! :)


Não podia faltar a bela da bolinha! As nossas preferidas: Casa Alta!






terça-feira, 28 de julho de 2015

Lekker by MJ, Campolide







Comecemos pelo nome que, certamente concordam, é deveras sui generis: Lekker by MJ. É de tal forma incomum, e de difícil pronunciação, que para dizer ao Sebastião onde, a convite do Zomato, íamos jantar tive que lhe enviar um sms pois verbalmente a mensagem não passava. Durante o jantar não resisti a perguntar a origem de nome tão singular. Simpaticamente explicaram-nos que Lekker é uma palavra holandesa que significa bom gosto e MJ são as iniciais dos donos do restaurante. 




O espaço

Na presente "moda" das tabernas, este restaurante vem em contra-corrente, o que é sempre refrescante. A decoração é moderna e elegante, entre o branco e os tons terra. Na entrada estão dois cadeirões e um tapete fofinho que torna o espaço acolhedor, embora me pareça que estão ali mais para criar ambiente do que para serem utilizados. Globalmente, o espaço é agradável e com ar sofisticado, mais virado para um público que aprecie uma refeição num espaço algo selecto. 

O atendimento

Do melhor! A excelência do atendimento começou na disponibilidade para alargarem o prazo de utilização do convite do Zomato. Durante toda a refeição houve uma atenção ao nosso bem estar acima do normal. E não se pense que foi por irmos a convite. As restantes mesas tiveram igual acolhimento e atenção.




A comida

O convite incluía couvert (pão e manteiga de ervas) e 3 petiscos. Da lista de 5 escolhemos: o baozi de porco, as pataniscas de polvo e o brás de pato e mandioca. Estavam todos óptimos, apesar do tamanho reduzido. Sim, eu sei são petiscos, não é suposto ser servida muita quantidade, mas ainda assim soube a pouco. A carne de porco do Baozi desfazia-se na boca e quase não parecia carne de porco de tão suave que estava. Já a utilização de Mandioca no Brás estava brilhante.




Como ficámos com um ratito pedimos um prato principal, o eleito foi Sandes de Porco Lascado. Já que o Baozi tinha corrido tão bem, decidimos experimentar. Não gostei muito! Mas aqui o defeito é meu, o Sebastião adorou. Não gosto do sabor agridoce, por isso todos os pratos principais com doce para mim estão de fora.




Para sobremesa, sim porque essa não poderia faltar, pedimos o crumble de pêssego com gelado de iogurte. Gostei muito da sobremesa, já o Sebas ficou um pouco desconsolado porque o crumble tinha pouco crumble. É verdade que tinha menos crumble do que um tradicional de maçã mas para mim a proporção estava bem conseguida.




O preço

Depende! Se se for comedido nos pedidos, uma ida ao Lekker fica abaixo dos 20 euros (sem vinho), mas é fácil a conta escalar por aí acima. 

A conclusão

O que quero destacar são as texturas e apresentação dos pratos, incluindo sobremesa. Todos pensados ao mais ínfimo pormenor. E o atendimento também muito bom. Ainda assim, por alguma razão não fiquei totalmente convencida. Uma próxima visita ditará o veredicto.

 
 
Rua de Campolide, 372-E, 1070-027 Lisboa
Contactos 925946966 | 21 7270783

Horário | Dom e 2ª – Fechado | 3ª – 12h às 15h | 4ª a 6ª - 12h às 15h e 19h às 23h | Sáb - 19h às 23h








Click to add a blog post for Lekker by MJ on Zomato 



Pizzaria Catarina, Altura




A pizzaria Catarina é quase indissociável de Altura. Experimentem pesquisar "restaurantes" "Altura" e ela está lá sempre! :)

No dia em que chegámos demos logo conta que a pizzaria era mesmo ao lado da casa que tínhamos escolhido para jiboiar uma semana... a isto juntou-se o facto de não apetecer mesmo nada fazer o jantar... por isso, Catarina nos aguarde, aí vamos nós!

O sítio é, como podem ver pelas fotos, bastante agradável. Situada na Rua de Alagoa, que é assim mais ou menos como a Av. da Liberdade de Altura, bem pertinho da Igreja e já longe da zona de maior impacto do "movimento".


 



Por aqui comem-se pizzas cozinhadas em forno de lenha, saladas, lasanha, etc... Nós optámos por pedir duas pizzas e uma salada para os quatro, o que se revelou mais do que suficiente. A minha salada Catarina vinha cheia de coisas boas, num prato muito bem composto, e as pizzas são efetivamente boas!





Segundo percebemos, na pizzaria Catarina as taças de gelado são as sobremesas de eleição. Nós não provámos porque estávamos cheios de pressa para ir assistir ao concerto deste senhor:

 



E lá fomos, tendo chegado bem a tempo de nos colarmos às grades, quase quase como estes desta página sempre cheia de graça! :)

E que belo concerto! :) Vivo na margem sul e trabalho em Lisboa, mas a minha vida de concertos atinge sempre o seu apogeu no countryside... ironias da rotina instalada, da falta de tempo, do tempo que é ocupado pelos enfants terrible! :)

Largando as divagações e voltando à pizzaria Catarina, pagámos pelas duas pizzas, a salada e 5 bebidas, 28,40 €! Pareceu-me ok!

O atendimento? Pois, o atendimento... tenho algum receio pela verdadeira época alta! Pareceu-me um bocadinho desconcentrado! Ou isto melhora pelo Verão dentro, ou então, preparem-se para algum tempo de espera!


Rua da Alagoa, Altura
Tel. 281 957 492

Fotos: Joana, e FB da Pizzaria Catarina.




quinta-feira, 23 de julho de 2015

Fresquinhas de Campo de Ourique - TOP XXL





Campo de Ourique is on fire!!! Todas as semanas abre ou fecha um novo espaço. A rotatividade e a experimentação de novos conceitos borbulham por estes lados. Óbvio que o topo é o Bairro Alto mas, ainda, Campo Ourique está com movimento. Iniciou-se com o mercado, foi-se espalhando pelas imediações e agora todo o bairro é assolado por novas casas e novos conceitos.

Como feliz resistente do bairro decidi iniciar uma nova rubrica, de publicação irregular (como sempre) sobre as novas casas e novos conceitos que vão nascendo em Campo de Ourique.

Para abrir vamos ter o Top XXL. Uma pastelaria pela qual já tinha passado várias vezes sem prestar grande atenção. Tem o aspeto de uma pastelaria "normal" e é pequena por isso os olhos passavam e o cérebro mal registava a sua existência.

Mas um dia alertaram-me para o facto de ter bolos XXL. Ou seja, pastelaria normal mas em formato XXL, eles são croissants, jesuítas, mil folhas, palmiers, etc...




Tinha de ir conhecer tal paraíso! À primeira oportunidade fui lá tomar o pequeno almoço. Não foi possível, não consegui, os bolos são enormes! Fiquei-me por uma meia torrada, já de si também gigante, mas ainda assim tarefa mais fácil de concluir. 




No dia seguinte, e aproveitando o facto de ter muita gente em casa, comprei um croissant gigante!! Estava delicioso e apesar de sermos muitos ainda sobrou. 










Rua Tomás da Anunciação, 1A
Campo de Ourique, Lisboa

2ª a Dom – 7h às 24h

TLF 21 8217133 






segunda-feira, 13 de julho de 2015

Le Chat, Santos






O Le Chat é mais um daqueles sítios que estava na minha lista de espera há muito tempo, inclusivamente já esteve na agenda para não me esquecer, sempre em conjunto com a exposição Génesis, de Sebastião Salgado. Mas o agendamento passava de fim de semana em fim de semana até que me fartei de ter estes eventos na agenda e retirei-os.

Entretanto, um destes domingos lá consegui um tempinho para ir à exposição. Aconselho vivamente a visita à exposição, é muito interessante! Desconhecia a faceta do Sebastião Salgado de pessoa preocupada com a sustentabilidade do planeta e algumas das fotos são brutais, pela forma como retrata a degradação da natureza e algumas das práticas mantidas por tribos espalhadas pelo mundo. Apenas uma pequena questão: a iluminação. Está péssima! Não é possível olhar para uma foto sem ver a nossa sombra e as fotos que se encontram na parede oposta, o que limita o prazer que se pode retirar da observação de cada foto.

Voltando ao Le Chat, depois de ter tantas vezes os dois eventos juntos na agenda, no momento que saí da exposição naturalmente dirigi-me para o Le Chat. A viagem não foi fácil pois tinha voltado aos anos '00 e não tinha internet no telemóvel (pânico!), o que me impedia de obter a morada correta. Mas um telefonema ao Sebastião resolveu a minha falta de informação.

O ambiente

O Le Chat é um paralelepípedo em vidro apenas visível quando se entra para o pequeno parque de estacionamento em frente ao Museu Nacional de Arte Antiga ou MNAA (só para me armar e pensar que estou em NYC). Quando se passa de carro na Rua das Janelas Verdes dificilmente se dá conta da sua existência.

O restaurante é composto por uma área interior e uma varanda, tendo uma vista fantástica sobre o porto de Lisboa e a Ponte sobre o Tejo (sim, eu sei... É a ponte 25 de Abril, mas eu gosto de a chamar assim). A divisão entre as duas áreas é feita por portas de vidro que recolhem de forma a transformar as duas áreas num só espaço.

A vontade de ir ao Le Chat prendia-se com a vista e por isso fui direita à esplanada. Esta zona é muito simpática e tem dois tipos de mesa, umas para refeições rápidas ou apenas para tomar uma bebida e outras maiores para refeições.




A comida

Na primeira vez que fui (sim, já repeti a visita) experimentei o hambúrguer à Le Chat que vem servido em bolo do caco e acompanhado de batata doce frita. O hambúrguer estava bom mas as chips estavam divinais, finas e chocantes como devem de ser.




Na segunda visita, e para variar no tipo de comida, pedi o Brás de alho francês que estava ótimo. Nunca tinha tido a oportunidade de provar este prato mas vou decididamente repetir, o sabor a alho francês é subtil o que torna o prato mais fresco do que o habitual bacalhau, ou a versão mais recente com farinheira.




Sobremesa só provei na primeira visita pois tendo ficado algo desanimada com o que comi não tive vontade de experimentar na segunda visita. Ainda para mais, tendo em vista os preços praticados nas sobremesas, uma má escolha fica cara.




O aspeto da sobremesa é fantástico e o conceito também. Trata-se de uma reinvenção do pastel de nata, ou seja uma bola de gelado de pastel de nata servida em folhas de massa filo e crumble de canela. A sobremesa talvez agrade a turistas ou pessoas de paladar mais refinado do que o meu, a mim não convenceu. A bola de gelado não era nada de especial, a massa filo era desinteressante, o melhor era mesmo o crumble. Para quem se esteja a perguntar: Onde estará o crumble? Está por baixo da bola de gelado. 

O atendimento

Simpático! Sem nada de especial a apontar. Funcional e eficiente! 

A conta

É difícil fazer uma refeição no Le Chat que fique abaixo dos 15 euros, um qualquer deslize e a conta sobe acima dos 20 euros. Considerei o preço adequado ao local, a localização é privilegiada e existe um esforço por ser uma casa para um público mais diferenciado.

A conclusão

A voltar! E já o fiz! É um excelente local para passar as noites quentes de verão acompanhado de uma refeição despretensiosa. 



Jardim 9 de Abril, Janelas Verdes, Lisboa
(junto ao Museu Nacional de Arte Antiga)

(+351) 21 396 36 68 | Lechat.lisboa@gmail.com

Horário verão
2ª a 5ª - 12h30 - 02h | 6ª a Sáb 12h30 - 03h | Dom 12h30 - 24h

Horário inverno (Encerra à 2ª)
3ª a 5ª - 12h30 - 24h | 6ª a Sáb 12h30 - 03h | Dom 12h30 - 20h




Click to add a blog post for Le Chat - Food & Cocktail on Zomato 


Arco Il Gelato, Altura



Escolher o sítio para as férias de Verão tem como critério fundamental a existência de uma boa gelataria nas redondezas, certo?!

Nada como as noites quentes algarvias, um passeio a pé, o corpo quente dos dias na praia, e um belo gelado a acompanhar! 

Em Altura, a gelataria Arco Il Gelato tornou-se uma companheira dos dias e noites de férias! Se estiverem alojados em Vila Real de Santo António ou em Monte Gordo, nada temeis, não chorem, também podem saborear estes belos gelados!

E enfim, que dizer?! Provámos de tudo um pouco: gin, mojito, dom Rodrigo, canela, romã, cereja, black cookies, manga, morango, melancia... mas aquele que nos ficou no coração foi definitivamente o gelado de figo! Muito, muito, muito bom! :)





A gelataria, em Altura, tem uma sala grande, espaçosa, com excelente iluminação natural e uma esplanada enorme, mesmo a calhar para as tais noites quentes!

Aqui ficam algumas fotos dos gelados:


FB da Arco Il Gelato

FB da Arco Il Gelato

FB da Arco Il Gelato

FB da Arco Il Gelato


E da esplanada em Altura:


Pela foto parece uma esplanada "mixuruca", mas não se deixem enganar!
Simplesmente nunca consegui apanhar aquilo vazio para tirar uma foto decente!

Do que gostámos também muito? Da relação qualidade/preço!! 2,80 € por duas bolas graaaandes! :)


Rua da Alagoa
Altura




quinta-feira, 2 de julho de 2015

Luzzo, Av. Liberdade



Já várias vezes pensei em desistir de ir jantar fora antes de um espetáculo. Claro que estou a falar dos espetáculos com hora marcada para entrar, estilo concertos ou peças de teatro, e não propriamente festivais ou eventos em locais públicos, como as Festas do Mar ou Festival ao Largo. Nunca vos passou o mesmo pela cabeça? Não? Se calhar porque são pessoas regradas, que dificilmente se atrasam, que escolhem sabiamente o restaurante para jantar e que não perdem a noção do tempo enquanto jantam. Infelizmente, eu não sou assim tão regrado (mas tento), o que normalmente leva a que ande(mos) num autêntico regabofe até vermos finalmente a cortina a levantar e o espetáculo começar.

Mas, e digo-o com uma pontinha de orgulho (porque uma pessoa tem de se agarrar ao que consegue), nunca entrei depois do espetáculo começar ou deixei cadeiras vazias, no entanto esta proeza tem sido alcançada à custa de muita correria e muitas preces a todos os santinhos. Talvez no dia em que as preces não forem ouvidas (olha para mim a bater na madeira) eu aprenda mas, no entretanto, desconfio que vou continuar a tentar as alminhas. A tentação de ir jantar fora é tão difícil de resistir...
Com toda esta conversa, já perceberam certamente que o jantar no Luzzo foi um desses casos de overbooking :-)




A coisa começou mal ainda antes de chegarmos ao Luzzo. O trânsito estava medonho, ninguém andava, tudo apitava. Portanto o trânsito normal da Baixa lisboeta. Quando finalmente chegámos ao Luzzo, entrámos nessa outra espiral de demência que é conseguir estacionar na Rua de Santa Marta ou nas ruas e avenidas circundantes. A UAL não ajuda nada à causa, nem a reordenação das ruas que ladeiam a avenida da Liberdade, mas ao fim de algumas voltas lá conseguimos encontrar uma fresta onde enfiar o carro. Esta história demonstra algo que é de senso comum, se se quer ir jantar num restaurante abaixo do Marquês de Pombal o melhor é ir de Metro, ou então ir com dinheiro (os parques subterrâneos têm valores proibitivos) ou com paciência (mais cedo ou mais tarde lá encontrarão um lugar). Infelizmente tivemos mesmo que ir de carro.

O restaurante Luzzo fica em plena rua de Santa Marta, mesmo em frente do Hospital de Santa Marta, abaixo da UAL e ao lado do Honorato. Com tantos pontos de referência era impossível não encontrar a porta do restaurante.

Quando entrámos, fomos recebidos por uma senhora a quem indico que tínhamos uma reserva. Assim que percebeu de que reserva eu estava a falar, disse-nos prontamente (com pinguinho a azedo) que tínhamos tido muita sorte em ninguém ter querido ficar com a nossa mesa (o que nos deixou algo preocupados, seria ao lado da casa de banho?), ficando implícito que o nosso atraso tinha sido notado (estávamos meia hora atrasados) e que lhe tinha tocado na tecla errada. Mas lá nos conduziu para a mesa que ninguém quis...

... e foi com grande alívio que descobrimos que a mesa preterida afinal era uma excelente mesa, ficando num pátio que existe ao fundo do restaurante. O Luzzo tem então duas salas, uma em continuidade da entrada e outra ao lado, ambas com uma decoração que balança entre o rústico (madeira, madeira, madeira) e o retro (azulejos, candeeiros, cadeiras). A iluminação suave associada à cor e revestimento das paredes criam um ambiente apelativo e acolhedor, sendo complementado com pormenores decorativos que se vão descobrindo ao longo do jantar. A organização do espaço pareceu-me ter grande potencial para jantares de grupo.

Ao fundo da sala principal temos o pátio. E desde já tiro o chapéu a quem idealizou este pátio pois o resultado final está excelente (tão bom como este só mesmo o do Frankie). Desde as paredes em pedra, passando pela parede vermelha coberta de vasos com manjericos, o chão em calçada portuguesa, até aos panos que fazem sombra sobre as mesas, e criam uma barreira visual entre nós e os prédios em redor, tudo funciona no sentido de proporcionar a melhor experiência possível de se comer "na rua".






Entretanto lá nos sentámos e - espantem-se! - tivemos a opção (a) ver a ementa e fazer os pedidos a quem nos atendesse, (b) ver a ementa e fazer os pedidos num tablet. Foi o meu primeiro contacto com esta inovação, apesar de já ter ouvido falar, e devo dizer que, à primeira vista, gostei bastante. Dá para ver com mais detalhe o que vamos pedir, conseguimos ir acompanhando o custo da refeição (ainda estou indeciso se isto é bom ou mau...) e reduz a necessidade de captar a atenção de alguém quando queremos pedir algo (é fantástica a capacidade de não olharem para nós quando queremos pedir algo, parece que viramos invisíveis), seleciona-se no tablet e logo há-de aparecer.

Depois de nos familiarizarmos com o software, decidimos dividir o bem pelas aldeias: uma pizza (Luzzo_cogumelos Portobello salteados, tiras de bacon crocante e ananás caramelizado) e uma salada (Luzza_mistura fresca de alface e rúcula, acompanhada de presunto, ananás caramelizado, nozes e tomate cherry). Ponto a favor, quando perceberam que íamos dividir uma pizza perguntaram se queríamos que viessem as duas metades já separadas.

E que casal perfeito fazem o sr.Luzzo e a sra. Luzza.





A primeira coisa que me saltou à vista foi o facto dos pratos virem muito bem servidos, especialmente a salada. A pizza era de um bom tamanho (perfeito para uma pessoa) e a salada poderia igualmente ser uma refeição por si só. A massa da pizza era estaladiça (como eu prefiro) e tinha uma cobertura q.b. dos diferentes ingredientes, a salada tinha tão ou melhor aspeto que a pizza (e vindo de mim, é um grande elogio) e vinha com tudo a que tinha direito (ou seja, não foram forretas com o presunto :-)

Como foram céleres a servir os pratos principais, decidimos que ainda tínhamos tempo para comer sobremesa antes de sairmos desembestados rua abaixo, em direção ao Coliseu dos Recreios.
Desliza o dedo para a esquerda, desliza o dedo para a direita, seleciona aqui, seleciona ali, vê esta fotografia, vê aquela fotografia.... e no fim a brincadeira com o tablet resultou em pedirmos um brownie acompanhado de mistura de frutos silvestres e cheesecake desmontado e montado à maneira do chef.





O brownie estava excelente. Quentinho, com uma textura deliciosamente esponjosa e o contraste perfeito com o amargo dos frutos silvestres, fizeram com que a única coisa que me apetecia dizer era: Quero mais!  Por outro lado, o "cheesecake", apesar do seu ótimo aspeto, não nos convenceu. Demasiado doce, as natas sabiam às natas das latas de spray e demasiado desmontado para ser chamado de cheesecake (mais perto de ser um doce da casa que outra coisa). Mas atenção, não ficámos fãs mas não quer dizer que não tenhamos comido até à última colherada. Como diz a minha santa mãe, o que é doce nunca amargou.

Por fim, lá pedimos os cafés e a conta. Pagámos 13€ pp o que tendo em vista a qualidade e quantidade da comida, o atendimento (incluindo a senhora do raspanete) e o espaço (excelente pátio!), me pareceu um excelente preço. Ótima surpresa!

E sim chegámos a tempo, esbaforidos e em cima da hora, mas a tempo.



Rua de Santa Marta, n.º 37 e 37 A | 1150-293 Lisboa 

Horário - 12h às 15h (Almoço) | 19h30 às 23h (Jantar) | Não encerra

Tel.: 213 570 518 Tlm.: 968 997 826 | E-mail: geral@pizzarialuzzo.pt