quarta-feira, 28 de março de 2012

La boulangerie by Stef, Baixa

 



Padarias e etc... As padarias e suas digivoluções, caso ainda não tenham dado conta, estão na moda. E no que me diz respeito, é uma daquelas modas com a qual convivo bem [talvez bem demais...] e da qual, suspeito, não me vou fartar. Por mim, cresçam e multipliquem-se [não precisa de ser como coelhos] mas com qualidade e diversidade [vá lá tentem!], para no fim não se ter muito do mesmo. Por enquanto, todas as que tenho visitado têm características diferentes, o suficiente para que na minha cabeça sejam entidades distintas, mantendo apenas o pão e pastelaria circundante como elo de ligação.

Falando agora da razão do post. La boulangerie by Stef surgiu no meu sonar de uma forma abrupta [qual nuvem de torpedos a dar caça ao Outubro Vermelho], um dia nada sabia sobre a padaria, noutro chovem comentários de amigos, post's em blogs que vou seguindo e reportagens nas (poucas) revistas a que vou dando uma olhadela, todos a falar de como era um local a visitar. Bem, já que toda a gente diz que ama, nada como ir experimentar para ver se também passo a amar.

E agora dar com o sítio. Foi necessária a ajuda do Google maps [odeio o bing maps!! arrrrrrrrre pu! (fonética de uma cuspidela imaginária)] para conseguir entender onde se situava concretamente a padaria. Para quem nunca se apercebeu, a Rua da Madalena tem rua que nunca mais acaba sendo, por isso, deveras importante saber que La boulangerie fica significativamente mais perto da rua da Alfândega (~Terreiro do Paço) do que do Martim Moniz. Este conhecimento faz toda a diferença na hora de escolher a estação de metro onde se desce :-) 

Tcharam! Saindo na estação da Praça do Comércio, e mesmo com uns "belíssimos" andaimes a dificultarem a visibilidade, rapidamente se dá com a padaria. Para descrever o espaço da La boulangerie só me apetece escrever um chorrilho de termos, daqueles que, por vezes, a malta entendida em decoração e outras artes circenses disparam [inventam?] para descrever tudo "o que mexe", do género retro industrial ou vintage pós-moderno ou neo-popular [começo a achar que tenho jeito para inventar jargão decorativo :-), será que poderá ser uma fonte de negócio?]. Mas, no fundo, o que houve foi o aproveitamento de um espaço já existente e a conjugação [muito feliz] entre materiais antigos [por vezes, dando-lhes novas utilizações] com outros mais modernos. Esta conjugação resultou num espaço com uma atmosfera convidativa e confortável, mesmo a pedir várias horas de lazer, de tal forma que se adia ao máximo a etapa de levantar e ir embora :-)

 


E a comidinha, hem? Simples e descomplicada. Nada de ementas longas e muito elaboradas, o que está nas vitrines ou a sair do forno [se tiverem sorte] é o que está disponível, portanto, antes de se sentarem, vejam o que há. No meu entender, a descomplicação é um dos pontos fortes deste espaço. Sentarem-se, mandarem vir um pão [por vezes quentinho :-)] fatiado e besuntarem as fatias com manteiga, doces variados e/ou Nutella sem restrições, convence qualquer um [nem queria acreditar quando percebi que podia comer Nutella com pão num local que não a minha casa!] . A parte divertida é que têm que andar a passear pelas mesas e a "roubar" os doces dos outros pois são comunitários. Só se paga a bebida e a comida, o material para lambuzar é à discrição. Para quem não gosta de pôr a mão na massa [neste caso no pão] ou de usar um frasco de doce onde várias pessoas desconhecidas já puseram a colher [sem malícia...], talvez este não seja o espaço ideal :-) Eu estive como peixe na água. Não me virei muito para os doces mais trabalhados (tartes e afins), não que me parecessem ter mau aspecto [muito pelo contrário] mas porque não calhou, mas os croissant estavam divinais! E com um frasco de Nutella na mão não há croissant que me meta medo!

E depois do adeus. Ficasse La boulangerie numa das minhas rotas de migração mais frequentes e teríamos um grave problema. Gostei, gostei muito desta padaria com sotaque francês [a dona é francesa.... ça va é o que mais se houve] e, muito provavelmente, quando andar a vadiar pela baixa tentarei dar lá uma saltada para matar saudades [Nutella!! :-)]


P.S. Já não há andaimes :-) mas tudo o resto mantém-se, incluindo a Nutella.



Localização
Rua da Madalena Nº 57 | 1100-318 Lisboa
Tel. +351 93 615 57 42
laboulangerie.bystef@gmail.com
Horários: Terça a Sexta das 09:00 às 20:00 | Sábado das 10:00 às 20:00 | Domingo das 11:00 às 16:00

quinta-feira, 8 de março de 2012

Real Plazza, Guimarães

  
  
 

  
  
Gosto desta cidade, ponto! As ruas e praças do centro da cidade transmitem, como alguém me costuma dizer em relação a tantas outras coisas, uma boa aura :-)  Tudo bem arranjado e limpo [e não é só porque é capital da cultura, em visitas anteriores a cidade estava igualmente bem preservada], e onde o antigo tem ar de antigo e não de velho.

Depois de umas quantas voltas pela cidade, e uma visita a um dos centros comerciais de Guimarães, lá nos pusemos a caminho do local onde, esperávamos nós, iríamos jantar. Decidimos tentar mais uma vez (da última vez estava fechado) o Real Plazza, um restaurante que, segundo me informaram, tem umas mega hiper "out of this world" francesinhas. Tendo em vista que sou aficionado deste prato, não me importo de tentar as vezes que forem necessárias até conseguir entrar num local que sirval boas francesinhas :-) Desta vez o restaurante estava aberto e chegámos na altura certa, esperando pouco tempo para ter uma mesa livre. Depois de nos sentarmos a fila, na entrada do restaurante, tornou-se gigantesca e assim continuou durante todo o jantar. Nitidamente é um restaurante com muita procura e rotatividade de mesas, tendo permanecido cheio [e o restaurante não é pequeno] durante todo o jantar e, tinha aspecto, de ainda ficar cheio mais umas horinhas.

O restaurante não fica no centro da cidade, sendo necessário ter boas referências ou conhecer a zona para dar com o local. Tem um aspecto normal, a tender para cervejaria Portugália-like, espaçoso e com janelas panorâmicas que, durante o dia, devem permitir uma vista bonita sobre a cidade.

O menu varia entre francesinhas, cachorros e bifes mas é pouco explícito para quem nunca lá foi... especialmente na descrição dos ingredientes e tamanho do prato! Quando tivemos oportunidade de ter um empregado que no desse atenção [foram sempre simpáticos mas realmente com casa cheia...melhor, a abarrotar, era difícil captar a atenção de um empregado] lá o bombardeamos com perguntas. Tudo tornou-se mais fácil porque pude apontar para a mesa ao lado e perguntar que "monstro" era aquele e se podia pedir metade :-) Sem exagero, o cachorro devia ter uns 30/40cm de comprimento com resmas de batatas fritas e molhanca para ensopar [acho que entupi uma veia só de olhar para o prato!]

Para a mesa vieram dois meios cachorros ["só" tinham uns 20/25cm] e uma mega francesinha [pão de forma feito de encomenda pois nunca vi quadrados de pão tão grandes]. Se meio cachorro já me encheu as medidas, não quero nem pensar se comesse um inteiro [algo que me passou pela cabeça mas, felizmente, a razão prevaleceu sobre a gula]. Os cachorros estavam fantásticos, especialmente porque não vinham em pão normal para cachorros mas sim numa espécie de baguete, que tornou tudo muito melhor. A francesinha estava igualmente óptima, sendo necessário alguma dilatação de estômago para conseguir comê-la toda.

Escrevo, escrevo e então e as fotos? Infelizmente vão ter que acreditar em mim [ou ir confirmar com os vossos próprios olhos], estava tão distraído que não me ocorreu, por um minuto sequer, apontar o meu telemóvel para o meu prato e tirar uma foto da obra de arte gastronómica com que me presentearam. As minhas humildes desculpas.


Esta foto é simplesmente ilustrativa, não fazendo jus à que realmente foi comida :-)



Localização
Rua Fernando Pessoa nº101 | Guimarães
4800-176
Tel: +351 253438310
  
  

segunda-feira, 5 de março de 2012

Cufra Grill, Porto

  
  

 
 
A Cufra é de tal forma uma instituição que já merecia um novo post. Para encontrar o antigo post (publicado em 2008) passei por tantos restaurantes que, infelizmente, já fecharam que devemos uma homenagem a todos aqueles que resistem. 

E com novo post, nova localização. Não, não, as outras não fecharam. Abriu, à já alguns anos, uma Cufra no edifício transparente (como o Xico Fininho o chamaria, A Coisa), junto ao Castelo do Queijo.

A qualidade continua a mesma, ou seja excelente francesinha, excelente mesmo. E a restante comida é também muito boa. Como eles também fazem take-away, há uns tempos provei umas tripas e uma vitela assado no forno divinais.

O que faltava à Cufra? Uma localização mais do que privilegiada, ali mesmo em cima do mar, com janelas enormes, ou seja, as paredes são janelas, que o edifico faz jus ao nome, sendo todo em vidro. De um lado temos a vista de mar e do outro lado temos uma vista para o parque da cidade. Querem melhor no Porto? Duvido que consigam encontrar. Não estou a brincar, é tipo jogo de ténis, olham para um lado, mar, olham para o outro, verde, e continuam assim durante toda a refeição. Só se desconcentram pela maravilha que está no prato.

Aqui fica uma excelente sugestão, se passarem pelo Porto (imagino, que quem é daquelas bandas, já conheça muito bem) experimentem a nova localização da Cufra.

Cufra Grill
Edificio Transparente
Matosinhos - Porto
Tel: 229 387 884
Horario: 12h-24h