sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Gordini, Estoril






Finalmente colmatei o que parecia ser uma falha gravíssima.... nunca ter ido comer ao Gordini, segundo me fizeram saber, era uma grave lacuna na minha cultura gastronómica, mas felizmente tenho amigos que se importam com a minha cultura e fizeram o favor de me levar a tão famosa pizzaria. Aqui que ninguém nos ouve, já várias vezes tinha olhado para o letreiro quando passo  na Marginal, mas.....vamos pôr desta forma, não tem uma fachada muito apelativa.



A experiência foi excelente mas julgo.....não, tenho a certeza! que a companhia espectacular de V(W), F-DAN, S-DAN, MG e sininho muito contribuiu para que tudo tenha corrido tão bem :-) Na verdade foi graças às pestanas da V(W) que conseguimos mesa em cima da hora. O facto de os Deolinda irem cantar for free no Casino Estoril nesta mesma noite também não deve ter ajudado no arranjar mesa no restaurante.... afinal esta era outra das razões de nós irmos jantar ao Gordini :-)

A sala do restaurante é aconchegante (to say the least) e favorecedora de contacto humano entre mesas mas sem nunca se tornar muito incomodativo. Na verdade, nós falámos, rimos e comemos como se fossemos os únicos no restaurante :-), apenas dando conta que existia mais gente quando  entrou a "Afinal havia outra" em estado pré-natal ou quando um empregado levou com uma lasanha "quentinha" nas costas. A decoração é simples mas cria um ambiente simpático e acolhedor e a sala tem uma vista engraçada para a praia e estação de comboios.



Como vínhamos esfaimados, pusemo-nos logo a escolher os pratos assim que tivemos a ementa à frente. Pedimos Lasanha, Pizza Ferrari (Tomate, queijo, cogumelos, frango, banana, natas, orégãos) e Gordini (Queijo, tomate, cogumelos, fiambre, espinafres amêndoas, passas e oregãos). Estava tudo bom, especialmente a Lasanha! Dá mesmo vontade de comer, e comer, e comer.....muito boa! As pizzas também não estavam más de todo.

Para sobremesa, quando descobri que toda a gente ia pedir o Doce da Mana (verdadeira falta de originalidade :-) lá consegui pedir a tempo um Tiramisú. Ainda em que o fiz! Em abono da verdade, o Doce da Mana estava muito bom mas o Tiramisú estava realmente no ponto (e em quantidade mais que suficiente para ser partilhado por todos).

No fim pagámos 19€ pp, um bocadinho caro demais para o que estou habituado a pagar num italiano mas como a companhia não tem preço... valeu a pena :-)

Onde fica...
Av. Marginal, 7191 2º Andar, 2765-248 Estoril
(ou seja mesmo em frente ao Casino Estoril e ao lado da Estação de comboios)
Telefone: 21 4672205 (reservar é uma atitude sensata... o espaço é pequeno)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Fenícios - Lisboa



A minha veia (quase capilar) para a escrita tem estado com pouco débito, por isso os posts por escrever têm-se acumulado, e este estava quase perdido no meio da lista de posts do resto dos colaboradores deste blogue, bem mais disciplinados do que eu.

Há já vários dias (semanas) atrás, tínhamos combinado ir ao BES (Marquês do Pombal) ouvir os Otros Aires, um grupo de tango electrónicos. Este evento serviu de desculpa para nos juntarmos antes e jantar ali pela zona. Os Fenícios pareceram uma boa escolha, há muito que queria experimentar o restaurante, mas por falta de alembradura, casa cheia ou por não dar jeito, nunca lá tinha ido. Mas neste dia, os astros alinharam-se.

Chegamos uma hora antes do concerto, cheios de certezas que numa hora conseguíamos jantar, mas espantem-se com o que aconteceu, saímos do restaurante perto das 23h, e como é óbvio o concerto já tinha acabado.

Mas valeu bem a pena, o jantar estava muito bom e a conversa melhor, por alguma razão nos atrasamos tanto. A cozinha é libanesa, o que quer dizer que eu não sabia bem ao que ia, mas nada como experimentar.

Quem já lá tinha ido sugeriu que pedíssemos entradas e depois pratos para partilhar, e assim fizemos. Deixem-me fazer aqui um parêntesis na explicação deste restaurante, o menu está em libanês, com explicação em português é bem verdade, mas na realidade não sei o que estava a comer na maioria do tempo, por isso é natural que as explicações sejam vagas e pouco concisas. Mas posso desde já assegurar tudo o que comi, apesar de não saber muito bem o que era, estava muito saboroso.

As entradas vêm para a mesa numa arvorezinha de metal, com vários patamares de variadas coisas, a maioria difícil de explicar, lembro-me do hoummos (grão-de-bico moído com pasta de sésamo e limão servido em forma de puré) e de pão tipo nan. Em relação aos pratos, a descrição torna-se ainda mais complicada, vieram para a mesa quatro pratos (para seis pessoas) todos diferentes e todos deliciosos. Não provamos sobremesas porque já estávamos muito atrasados.


Um reparo em relação ao restaurante, não vão com pressa, o serviço é lento, o que pode ser bom num jantar de amena cavaqueira entre amigos, ou menos bom quando estamos para ir a um concerto, sendo que o nosso grande atraso não se deve só ao serviço lento, mas também à pouca vontade da maioria da mesa de se levantar. No final, uns módicos 12 euros por pessoa.

É verdade que a minha descrição da comida do restaurante está muito longe de ser brilhante, mas vão e experimentem que vale bem a pena, e se quiserem deixem comentários sobre o que comeram.


Fenicios
Rua do Conde Redondo, 141-A - LISBOA
Tel: 212448703
Segundas a Sábados - 12h-15h30, 19h-24h

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Armazém da Cachaça, Lisboa



A rua São João da Mata é realmente profícua em restaurantes que dão vontade de conhecer e experimentar. Santissimus, Boka de Santo e Sofisticato ficam todos nesta rua e realmente só faltava conhecer o Armazém da Cachaça para ficar com a colecção de cromos completa :-)


Noutras visitas a esta rua já tinha ficado com este restaurante debaixo de olho e, sem nenhuma premeditação (ou seja sem reservas), a visita finalmente concretizou-se.

Como é de conhecimento geral, nesta zona de Lisboa é "relativamente" complicado estacionar (mesmo para Smart's). Quando digo relativamente, quero dizer que é melhor contarem com uns largos minutos à procura de estacionamento e outros tantos a caminhar até ao restaurante (o regresso pode ser considerado um digestivo não alcoólico), e não sejam muito exigentes com o local onde estacionam (sejam imaginativos :-) pois só aumentam o tempo de procura e a distância entre o carro e o restaurante.
Assim, depois de algumas voltas no carrossel da Lapa (rua a cima...rua a abaixo...) lá encontrámos um lugar de estacionamento e caminhámos até ao restaurante. Quando chegámos, como restaurante apenas tinha uma mesa ocupada, pudemos escolher onde nos sentar.

Todo o caminho entre a entrada e a mesa foi feito num estado de deslumbramento. O restaurante está instalado numa antiga mercearia lisboeta do século XIX cujos traços foram mantidos de uma forma irrepreensível. Depois de sentado, ainda fiquei de boca aberta  durante algum tempo, a absorver a decoração do restaurante.... na minha  humilde e singela opinião, o Armazém da Cachaça tem uma das mais bonitas salas de restauração em Lisboa.
Ao colocarem como banda sonora sons de Bossa Nova apenas fizeram com que o ambiente se tornasse ainda mais convidativo e se adie ao máximo a altura de ir embora.

Como o nome do restaurante assim o indica, a ementa está recheada de pratos de cariz brasileiro.Mas não pensem que vão estar perante rodízio ou diferentes formas de apresentar picanha, o restaurante está acima do típico restaurante brasileiro (felizmente pois o espaço assim merece).

A carta não é vasta mas menos é, com frequência, mais. Dos pratos disponíveis escolhemos Lombo Real e Frango à Tieta (digam lá se não sorriram assim que leram o nome deste último prato....:-). Enquanto esperávamos pelos pratos, atacámos as entradas. Estas incluíam, para além de pão e mini-tostas, linguiça, patê de marisco com abacaxi (agradável surpresa!) e umas bolinhas fritas com diferentes recheios. Pouco sobrou das entradas, de tão más que eram :-)

Enfim vieram os pratos. O restaurante aposta claramente mais na qualidade do que na quantidade, mas as porções são adequadas e no final ficámos ambos muito bem. Como tinha acontecido com as entradas, os pratos estavam óptimos!

A sobremesa.... foi realmente o ponto alto da refeição. Houve quem fosse para a fruta (buuuuuu :-), abacaxi mais concretamente, mas eu deliciei-me com um semifrio de chocolate e cachaça que estava espectacular! Mesmo muito bom... e é raro ficar assim tão satisfeito com as sobremesas ;-p

No fim pagou-se pouco menos de 20€ pp mas foi sem cair na tentação de pedir caipirinhas, de outra forma facilmente teríamos chegado aos 25/30€. O atendimento é simpático e atencioso dando espaço e tempo para se fazer as escolhas e para conversar distraidamente. Excelente restaurante para se estar numa conversa amena com amigos.

Onde fica....
Rua São João da Mata 88/90, Lapa
Tel. 213965264
Encerramento: Domingos
Horário: Das 19:30 às 00:00

Fotos retiradas de Link

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Clube Ferroviário Português, Lisboa



O Clube Ferroviário Português (CFP) foi criado em 1961 na fusão de duas outras entidades, abarcando as actividades culturais e desportivas das mesmas (remo, ténis de mesa, futebol, banda de música, grupo cénico, etc.). Fundou, na mesma altura, a sede na Rua de Santa Apolónia, onde vai desenvolvendo parte das actividades. Este ano foi remodelado o bar existente e aproveitado um terraço espantoso, abrindo assim um novo espaço para o final da tarde e noite.

O Terraço é sem dúvida um local óptimo para descansar um pouquinho ao fim da tarde, ao som de boa música. Localizado mesmo por cima da linha do comboio, logo à saída da estação de Sta. Apolónia, permite repousar o olhar sobre o rio, os barcos, a Poderosa (quem sabe o que é?!), o Panteão. Sempre com o barulho monocórdico do comboio a entrar e sair da estação...embala...! :)


A decoração não poderia estar melhor, na minha modesta opinião: bancos do comboio, com mesas de madeira muito simples, candeeiros de palhinha, balcão forrado a palhinha. Ao fundo do terraço, um palco e um ecrã dão ao espaço a característica muito na moda de "multiusos". Aos bancos de comboio juntam-se também umas espreguiçadeiras e uns sofás com um ar muito confortável.


O bar serve refeições produzidas pelo grupo Magnólia, e consta de pratos leves tipo tostas, sandes, focaccias, saladas e bolos à fatia. Ao fim-de-semana parece que há uns brunch fantásticos. As bebidas variam entre o café e cappuccino aos granizados, sumos naturais e cocktails. Nós fomos ao final da tarde, altura de pouco movimento, e achei o serviço um pouco desorganizado e, por consequência, lento ("ah, já não temos...passado um bocadinho...olhe afinal ainda temos...." o que me deixa sempre um pouco receosa!). 

Acho que isto será uma questão a melhorar. Nós optámos por um cappuccino, um granizado (melancia, hortelã e vodka...mt mt bom) e uma fatia de bolo austríaco de chocolate. Posteriormente, fiquei arrependida de não ter escolhido uma focaccia...vi passar e tinha muito "bom ar"! Por isto pagámos 15 euros. Não, também não achei barato! Mas gostei muito do sítio, do ambiente, da música, da vista!

Por isso, um dia, quando lhe apetecer, compre o bilhete e embarque nesta viagem indolente e sem destino, no comboio do clube ferroviário...vai ver que não se arrepende! :)

Localização:
Rua Sta. Apolónia, n.º 59-63
Encerra às segundas e terças.
Quar, Quin, Sex 17h-06h
Sab, Dom 12h-06h

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Verde Amarelo, Costa da Caparica



Se existe um restaurante, na Costa da Caparica, cuja popularidade poderá de alguma forma rivalizar com o império Barbas, será certamente a pizzaria Verde Amarelo. Até para mim, um verdadeiro turista em termos de Costa da Caparica, a pizzaria Verde Amarelo é uma referência gastronómica nesta tão popular zona balnear.

Éramos cinco adultos e duas crianças, logo precisávamos de um local amplo (mas com alguma capacidade de contenção de feras de palmo e meio) e onde barulho não representasse um problema :-). O Verde Amarelo respondeu às duas necessidades, não estivessem os empregados mais que habituados a grandes núcleos familiares em grande azáfama.

Existem pizzas melhores que as do V&A? Sim existem mas, muito honestamente, não são assim tão superiores e não tive razão de queixa das que comi. As pizzas que vieram estavam muito boas assim como o esparguete à Bolonhesa.
O serviço é rápido e atencioso (especialmente porque com o avançar da noite começou a haver falta de mesas para as necessidades) e o espaço permite fazer alarido sem verdadeiramente incomodar ninguém, o que com crianças é sempre bom :-) O preço por pessoa também não foi cáutico: 14€ pp.
 
Talvez por estar na companhia de velhos (e novos) amigos, gostei muito do restaurante e das memórias por ele despertado.

Localização
Av. General Humberto Delgado, 3-loja 4, Costa da Caparica
Tel.: 212 905 149 / 212 913 004
Horário: 12.00h - 22.30h
Aberto todos os dias

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Santini




Este era um post que já andava na calha à algum tempo (sempre que vou à Santini em Cascais penso que é uma falha gravíssima ainda não existir um post) mas a abertura da Santini no Chiado deu o empurrão que faltava para que finalmente fosse prestado o devido respeito a esta instituição de (elevado) interesse público.

Quem nunca ouviu o nome Santini ou não gosta de gelados ou não é de Lisboa (muito menos de Cascais). Sempre que alguém fala de Cascais (especialmente num dia de sol), mais cedo ou mais tarde aborda um dos ex-libris da cidade - a geladaria Santini - onde são vendidos “I gelati più fini del Mondo” [o gelado mais fino do mundo].

Se são realmente os melhores do mundo não posso afirmar (teria que provar os restantes), mas que realmente são excelentes, não restam dúvidas. Basta passar à porta das três geladarias que existem para perceber que os gelados realmente têm de ser muito bons, de outra forma ninguém no seu perfeito juízo ficaria tanto tempo à espera por um cone com duas bolas :-)



Os gelados são espessos, saborosos e têm um leque vasto e variado de sabores, indo dos sabores mais comuns como o gelado de baunilha até algo tão estranho como açaí com banana :-) No fundo, o difícil é escolher o número de bolas e os sabores que se quer comer, por isso aproveitem o tempo de espera para o pré-pagamento para pensar no que vão querer, assim que estiverem ao balcão têm que ser rápidos e certeiros pois têm resmas de gente à vossa volta que rapidamente vos tiram o lugar :-). 

Um facto curioso é a forma como retiram as bolas de gelados dos recipientes e os colocam nos cones ou copos, tentem reparar pois este simples acto tem ciência e quem atende na Santini fá-lo com perícia.

Em relação à longas filas de espera, não deixem que estas vos demovam de comerem um gelado no Santini. O atendimento é rápido e eficiente, fazendo com que o tempo de espera seja mais curto do que parece à partida e, quando tiverem o vosso gelado na mão, vão esquecer rapidamente o tempo que estiveram à espera.

 A loja em Lisboa tem uma diferença de grande relevo em relação à de Cascais... vai estar aberta todo o ano!!!



Locais de tentação..... 

Facebook 

Loja de Cascais
Av. Valbom, nº28 F, Cascais
Aberto de Fevereiro a Novembro
Horário de verão: Terça a sábado das 11h às 24h, Domingo das 11h às 23h
Encerra à segunda-feira

Loja de S. João do Estoril
Rua Nova da Estação, nº5, S. João do Estoril
Aberto todo o ano
Horário: quarta a segunda das 11h às 20h
Encerra à terça-feira

Loja de Lisboa
Rua do Carmo, nº9, Chiado
Horário: segunda a domingo das 11h às 24h
Aberto todo o ano

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Antiga Casa Marítima, Trafaria



É verdade, sou mesmo eu que estou a escrever sobre um restaurante na margem sul :-)
Apesar de ser uma sexta-feira e fim de uma quinzena (uma pessoa dá-se com moradores da margem sul e passa a estar sensibilizado para as marés da ponte), lá fui eu para a Costa, cheio de pica.... eu e mais não sei quantos milhares de pessoas :-) mesmo assim consegui fazer o trajecto Lisboa-Costa da Caparica em 45 minutos, o que foi muuuuito melhor que o previsto...

Depois de matar saudades com amigos de longa data (e ter sido apresentado a uma pequena terrorista por quem declaro o meu amor incondicional :-) fui conduzido até essa localidade que para mim existe fundamentalmente como um local onde param barcos - a Trafaria.

Chegado à Trafaria, fomos jantar a um pequeno (embora fique na dúvida se será pequeno ou simplesmente tinha tanta coisa pendurada nas paredes e tecto que parecia pequeno) restaurante português chamado Antiga Casa Marítima.O restaurante tem tudo o que se pode esperar de um restaurante genuinamente português, atascado, com ameijoas vivas num alguidar à entrada, resmas de mesas com toalhas de papel com pouco espaço entre elas, e por aí fora. Duas coisas que saltam à vista: muitos quadros com notas de vários países e décadas espalhados por todas as paredes e a vista para o Tejo das enormes janelas que ocupam uma das paredes.

Comemos filetes de polvo com arroz de feijão e linguado frito com arroz e salada. Estava tudo muito bom.E se há comida que pode correr mal é o polvo :-)

Para sobremesa, variámos entre mousse de chocolate e tarde de chocolate com natas. E aqui foi a principal surpresa.... normalmente nestes restaurantes o forte é o prato principal, enquanto que as sobremesas pouco variam e (com frequência) são plenamente industriais :-( Estas tinham dois factores muito positivos, tinham mesmo chocolate e eram muito boas! A mousse por mais que se mexesse não ficava em metade do tamanho e a tarte tinha uma camada de chocolate bem denso a tender para o amargo.

O atendimento era rápido e simpático. O preço.... bem como me pagaram o jantar :-) não achei conveniente perguntar quanto tinha sido, mas pelos preços da ementa não deve ultrapassar os 15€pp. 

Onde...
Rua Cândido dos Reis nº1
2825-847 Trafaria
Telef.212950889
Encerramento: 2as
Horário: 12:00 às 15:30 e das 19:00 às 22:30


terça-feira, 3 de agosto de 2010

O Velho e o Mar, Sesimbra



Nas tórridas e tropicais noites de calor que se fizeram sentir nos últimos tempos, que melhor pode haver do que jantar junto ao mar (onde se consegue sentir um "fresquinho") ?! Para mim, acho que nada... um passeio, vento semi-fresco semi-quente, óptima companhia, mar, boa comida...!
Após alguns de evasão de Sesimbra, lá voltámos...continua como sempre no Verão: as ruas sinuosas cheias de pessoas a comer o seu belo gelado, a passear com ar de férias e de descanso, o seu péssimo estacionamento...!

Para quem também se afastou de Sesimbra nos últimos tempos, não tenha a tentação de tentar levar o carro para a porta do restaurante ou tentar apanhar aqueles lugares fantásticos que existiam mesmo junto à praia. Os ditos lugares já não existem e deram a vez a um passeio mais largo, com árvores e muitos banquinhos para melhor se apreciar as noites quentes de Verão! E ainda bem! (eu só gostava era de ter sabido isto e de não ter demorado o mesmo tempo a dar a volta à vila do que a chegar lá vinda de casa...e sorte a minha que o B. conhece muito bem a vila! portanto, o carro fica à entrada de Sesimbra e fica muito bem!)

Na imensidão de restaurantes de Sesimbra, porquê este?! por nada, propriamente! :) tinha bom aspecto, uma esplanada semi-protegida, tinha gostado da ementa que tinha consultado no site, mas mais nada!

Sesimbra é sítio de mar, de peixe fresco. Este restaurante marca a diferença por alguns pratos mais elaborados, que fogem um pouquinho ao simples peixe grelhado, ao marisco, aos "arrozes" e às massadas. Nós optámos por experimentar o Espadarte de Cebolada e o Bife de Atum à Velho e o Mar. Estavam ambos muito bons, e servidos em quantidades mais que generosas (para uma quente noite de Verão em que a fome nem sempre é muita...). 

 
Para a sobremesa escolhemos um Quente e Frio de Morango com Chocolate de Menta; estava muito bom...um crepe a envolver gelado de morango muito cremoso e regado com chocolate quente com o toque exacto de menta! Muito bom! As restantes que íamos vendo passar também tinham aspecto muito promissor! :)

Resumindo: boa comida, bom ambiente, atendimento simpático e rápido, preço...(!?); pois, aqui é preciso ter algum cuidado. Eu explico: a nossa escolha de pratos principais acabou por recair nos "mais em conta" da ementa. A maior parte deles ronda os 18-22 euros, cada. Só comemos uma sobremesa e bebemos ice tea. E pagámos 20 euros/pp. Escolhendo alguns dos pratos ditos "elaborados" ou uma massa ou arroz para dois, a conta tem potencial para ascender rapidamente aos 30 euros/pp.

Localização: 

Rua Joaquim Brandão, 30-32
2970-637 Sesimbra
Telefone: 210 879 995