terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Ultralento, Lisboa

já andava com o telefone deste restaurante escrito na agenda à algum tempo, mas ainda não tinha surgido a oportunidade de o utilizar. foi então que as estrelas se alinharam e a oportunidade surgiu. e ainda bem.....

chegar........
o Ultralento fica situado no coração de Campolide e, associado à sua localização geográfica, vem o único defeito do restaurante - o estacionamento. a melhor opção é o parque subterrâneo de Campolide (quase ao pé das Amoreiras) mas se forem pessoas com persistência e paciência (ou com um Smart :-) pode ser que encontrem um bocado de passeio livre.

entrar e olhar em volta.......
influenciado pelo look algo vintage do site do restaurante e pelas descrições que encontrei espalhadas pela net, tinha formado a ideia de que o Ultralento teria uma decoração informal e acolhedora. quando entrámos no restaurante, o espaço revelou-se substancialmente diferente do esperado. mas, felizmente, nem sempre diferente é mau. na verdade, o restaurante apresenta um ambiente moderno (conseguido com as paredes cinza escuro metálico) com pormenores vintage, como os candeeiros das décadas de 60 e 70, todos diferentes, que iluminam as mesas, ou os individuais em palhinha, existentes debaixo dos pratos, também eles todos diferentes. combinando o moderno e o retro foi conseguido um ambiente moderno mas longe de ser frio e estéril. aliado à decoração estava uma excelente selecção de música, criando em conjunto um ambiente muito agradável .

sentar e escolher.........
depois de sentados, veio a ementa e com ela um dos pontos altos do restaurante, o atendimento. a forma apaixonada e algo teatral como são explicados os pratos que pensamos comer, dando ênfase aos ingredientes e a todo o processo de confecção, faz com se fique a salivar muito antes de vermos a comida. por isso deixo aqui o alerta, não perguntem muitos pratos pois, em vez de ajudar na selecção, pode fazer com que tenham ainda mais dificuldade em decidir o que vão comer.

segundo o que nos foi explicado, a ementa foi desenvolvida em torno da cozinha mediterrânica, pelos seus sabores e valores nutritivos, e da cozinha indo-goesa resultando assim em pratos que envolvem paladares de ambas as culturas gastronómica.

comer, comer......
nós ficámo-nos pelos bojes como entrada, bifinhos com batatas de mostarda e caril de peixe e camarão como pratos principais. o que são bojes? essa foi a nossa primeira pergunta mas, infelizmente, não consigo reproduzir a explicação. posso é dizer que eram muito bons :-) e tinham o aspecto de pequenas filhoses.

os pratos principais estavam muito bons! os bifinhos desfaziam-se na boca e as batatas estavam divinais (salteadas com grãos de mostarda) e o caril tinha um picante não agressivo e estava bem confeccionado em termos de especiarias (só foi pena o peixe estar mal passado). a comida, a companhia e o ambiente calmo e descontraído (a sala tem uma boa acústica, o que permite falar em vez de gritar) deram azo a uma excelente refeição.

e calmamente sair.....
e porquê o nome de Ultralento? segundo os mentores do restaurante "Ao acto da alimentação acrescentamos tempo, para degustar, para usufruir, para deleitar, acreditamos que esse tempo deve ser ultralento." e a verdade é que ninguém nos pressionou ou apressou para acabarmos a refeição ou vagarmos a mesa, deixaram-nos marinar no restaurante até estar prontos para o deixar.

se ainda não perceberam, gostei muito deste restaurante, e ao qual pretendo voltar assim que houver oportunidade, e aconselho que façam o mesmo.

localização.....
Rua General Taborda 47 A - Campolide
1070-138 Lisboa
Telef 213879186
Preço médio: 20€ pp
Encerramento: Domingos
Horário: 2a a 5a - 12:00 às 23:00, 6a a sabado - 12:00 às 24:00

1 comentário:

rui disse...

concordo com a descrição e a apreciação.
faltou talvez um detalhe que a mim me interessa muito. no ultralento
pode beber-se vinho a copo. a escolha é reduzida mas de boa qualidade, há uns tempos tinham Kopke mas recentemente a tendência é para o Quinta de Cabriz, e o conceito de vinho a copo poderá ser melhor descrito como vinho a balde quando comparado com outros restaurantes.