sábado, 25 de abril de 2009

Museu do Oriente ou a carga metida nos contentores

Museu do Oriente..... tanto que havia para dizer mas não temos tempo. Ok, temos um bocadinho de tempo.

O Museu está esteticamente bem conseguido mas falha em pequenos grandes pormenores (expositores sujos, difícil perceber a que objecto se referem as informações, textos escritos por alguém que aprendeu português no Oriente e, o pior, os inexistentes tectos dos expositores) que me fazem crer que tinha ficado chateado, se tivesse pago entrada. Mas como foi de borla até que não desgostei do Museu :-)

De borla? Sim leram correctamente, e não foi especial para mim, todos podem usufruir pois à sexta-feira entre as 18h e 22h o acesso às exposições do museu é gratuito. Mas devo dizer, que o que me levou ao Museu não foi a borla, foi um concerto, mais concretamente de uma cantora de Jazz chamada Stacey Kent, estão a ver a Diana Krall? muito melhor!, que decorreu no auditório do Museu. E devo dizer que o concerto superou largamente as expectativas (quer pela cantora quer pela acústica do auditório)!

Se estão a ficar intrigados pelo facto de estarem a ler um post sobre uma ida a um Museu, ou a um concerto, num blog dedicado à hora da refeição, calma que já esclareço. No topo do edifício existe um restaurante que, supostamente, tem uma vista deslumbrante para o Tejo e comida oriental muito boa. Pronto, get the picture?











Assim, depois de vermos o Museu, rumámos ao último piso do Museu para nos deliciarmos com as iguarias propostas pelo Restaurante do Museu do Oriente.

Primeiro à que falar na tão publicitada vista panorâmica......... se não fossem os contentores a vista seria realmente panorâmica mas, por enquanto, eles estão lá, qual muro berlinesco divisor entre nós e o Tejo. A fotografia com a ponte ao fundo, e o caminho desimpedido, apenas é possível num ângulo muito específico :-) Mas, com um bocadinho de imaginação, pode sempre dizer-se que tem uma vista que cruza o natural com o industrial.

A decoração...... demasiado minimalista e pouco original. Num restaurante associado a uma cultura tão vibrante e colorida como a oriental, esperava mais do que um corredor branco com grandes janelas e mesas de madeira escura. E se não acreditam em mim basta olharem para a fotografia da esquerda.

A comida..... infelizmente ou escolhíamos entre os dois pratos da ementa disponíveis (não perguntámos o porquê de só estes dois, quando na ementa vinham mais) ou podíamos optar pelo menu de degustação (muito caro: 35€). Ficámos pelos dois pratos disponíveis: bife à Marrare e medalhões de peixe (não me recordo da raça do bicho :-). A comida estava óptima, bem confeccionada e saborosa. Em relação às sobremesas, panacotta com molho de tangerina e crumble de maçã com gelado, estavam igualmente boas.

Em suma, a comida é boa, o atendimento simpático e prestável e a vista para os contentores engraçada, mas esperava um bocadinho mais de identidade por parte de um restaurante associado ao Museu do Oriente (especialmente ao nível da decoração do espaço). O custo foi de cerca de 20€ pp.

experimentem pois podem ter outra opinião

Localização
Avenida Brasília Doca de Alcântara (Norte)
1350-352 Lisboa
Telef.213585228
Encerramento: Domingos (Jantares), Terças
Funcionamento: Das 12:30 às 15:00h e das 19:30 às 22:30

Sem comentários: