Olivier Avenida, Lisboa

    
  
   

Não, não estão a ler mal o título do post. Sim, é esse mesmo. O tal que custa os olhinhos da cara. E sim, ainda estamos [estou] em crise económica e não, não ganhei o euromilhões [mas gostava!]. Então como consegui ir jantar ao Olivier sem perder nenhum órgão vital, vender a alma ao diabo ou praticar actos de bolinha vermelha? Infelizmente não posso revelar pormenores [o segredo é a alma do negócio] mas garanto, pela alminha do meu cão Jeremias, que não só não paguei pela refeição como ainda consegui arrastar a sininho comigo, que estranhamente não ofereceu grande resistência :-)

Ainda tentei ver se conseguia passar este jantar como prenda de aniversário da sininho mas (infelizmente) ela não foi na cantiga... snif snif

A decoração é a esperada neste género de restaurantes, desde os lustres aos sofás, passando pelo papel de parede, tudo transpira sofisticação e pessoas de certo status (e idade). Não me enquadro muito no género de restaurante, nem que seja porque o meu estado basal é calças de ganga, ténis e camisa da Springfield, mas a malta nunca [ou quase nunca] se nega a uma borla. E ainda bem pois foi uma noite muito animada, acompanhada com excelente comida!
 
 
O [extenso] menu estava pré-estabelecido: [entradas] mini-croquetes de espinafres e mozzarella, guacamole de caranguejo, cogumelos com catupiry, carpaccio de salmão, carpaccio de polvo com molho de pimentos tricolores, carpaccio de novilho com molho pesto, rúcula e queijo de cabra, folhadinhos com queijo de cabra, mel e nozes, [prato principal] double choleton com linguini com molho de parmesão e trufas e [sobremesa] petit gâteau.

Para além de ter degustado todas estas iguarias ainda tive a possibilidade de aprender (e provar) ingredientes novos. Não fazia ideia que catupiry é um queijo (mais parece nome de animal da Amazónia), ou que existe uma "espécie" de bife que se chama choleton [como diria o Caco "Pobre!"]. Tudo estava óptimo mas, na minha opinião, o choleton vinha demasiado mal passado... juro que ainda vi um ou outro batimento cardíaco no naco que me calhou!... lamento mas gosto dos meus alimentos devidamente mortos, quero dizer, cozinhados. Mas de sabor estava excelente. Por outro lado, a sininho como gosta de carne mal passada disse maravilhas [tivesse eu lhe visto, a escorrer pelo canto da boca, um fio vermelho chamava-lhe Sookie em vez de sininho, e protegia o pescoço não fosse ela querer true blood]

Acho que o único elemento que ficou aquém das expectativas foi o petit gâteau. Não que estivesse mau, longe disso!, mas simplesmente porque era tão somente um (apesar de bem confeccionado) banal petit gâteau.

Realmente quem tiver dinheiro e vontade de um restaurante mais sério, mais grown up, o Olivier Avenida é uma das hipóteses.

Localização
Hotel Tivoli Jardim | Rua Júlio César Machado, nº 7
(ou seja, rua por detrás do Cinema S. Jorge)
1250-135 Lisboa
Tlf: +351 21 3174105 
  
  
  

Comentários

urbanascidades disse…
Sebastião, convido a ti e a teus leitores para conhecerem e participarem com suas produções literárias do Urbanasvariedades, o modo long play do Urbanascidades, blog cultural de produção coletiva. Visite urbanasvariedades.blogspot.com. e solte o verbo.
Um abraço,
Paulo Bettanin.
Kique disse…
Caro Sebastião
É com grande interesse que tenho seguido este blogue...e experimentado algumas das dicas...parabéns.
Tomei a liberdade de adicionar o seu blogue ao meu(caminhos-percorridos.blogspot.com)

Cump.

Mensagens populares deste blogue

Mundet Factory, Seixal

Pastelices, Seixal