Miradouro da Graça, Graça






E com o sol a mostrar (finalmente!) a sua cor, nada sabe melhor que passear pelas colinas de Lisboa e, à sombra de uma bela árvore, aproveitar as vistas panorâmicas. O Miradouro da Graça proporciona o melhor de três mundos: sombra das árvores, esplanada e vista panorâmica. É verdade que a esplanada é um bocado tourist oriented mas para ingerir algo tão simples como um café ou coca-cola é mais do que bom para um nativo (é de notar que a esplanada tem uma oferta variada mas paga-se :-)



O Miradouro da Graça, rebaptizado Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen, fica situado no bairro da Graça mesmo à frente da Igreja da Graça, portanto perguntem pela Graça e logo encontrarão o Miradouro. E de onde veio o nome Graça? Descobri duas explicações mas suspeito que existirão outras....
Segundo a lenda, o nome Graça vem de uma estátua de Nossa Senhora da Graça que apareceu na rede dos pescadores em Cascais. No dia seguinte, entregaram essa imagem ao mosteiro, que adoptou seu nome. Outra lenda diz que a mesma imagem anunciou a vitória do exército português na batalha de Aljubarrota, em 1385.
 

E agora em memória desse eterno, e insubstituível, divulgador da cultura portuguesa (cujo gesto mais frequente era a junção dos dedos das mãos como se estivesse a falar de comida italiana) fiquem a saber que:
  • 1147 - A área do Monte de S. Gens, arrabalde mouro conhecido por Almofala, foi o local escolhido para acampamento das tropas de D. Afonso Henriques durante o cerco a Lisboa
  • 1271 / 1291 - construção do convento dos Agostinhos (que em 1305 passa a chamar-se de Nossa Senhora da Graça) cuja igreja podem, com alguma sorte, visitar (atrás da esplanada da Graça)
  • 1373 / 1375 - integração, na cerca Fernandina, de uma grande parte do convento da Graça
  • 1834 - expulsão dos frades Agostinhos do convento da Graça e instalação do quartel
  • 1893 - inauguração do elevador da Graça
  • 1908 - construção do bairro Estrela de Ouro (cujo ex-libris é o Cine Royal, actualmente o mercado da Graça)
  • 1912 - início da construção do edifício da Voz do Operário



       
Do miradouro e possível avistar, por exemplo, o Castelo de São Jorge, a Mouraria, o Martim Moniz, a baixa pombalina, o convento do Carmo e, esse símbolo da cidade, o Rio Tejo.

Adicionando uma voltinha no eléctrico 28 aquando da ida ao miradouro e faz-se uma verdadeira visita turística à cidade.








Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mundet Factory, Seixal

Pastelices, Seixal