sábado, 30 de agosto de 2014

Pomme de Terre, Príncipe Real





Juro que não me ando a desfazer das pessoas mas foi um (outro) adeus que me trouxe aqui, no entanto este adeus é menos oneroso tendo tem um "v" de volta (bem curto, dizem os que se vão embora). E agora uma daquelas frases feitas que se lêem no verso de um pacote de leite (e que dará algum sentido à primeira frase) "as férias são como uma doença infecciosa auto-limitada - infecta, cura e volta-se à vida - que felizmente não provoca anticorpos apenas saudades (e às vezes um bronze)".

Ao princípio houve alguma resistência em virmos a este restaurante (nada contra o restaurante, apenas vontade de ir a outro que já estava na lista de pedidos) mas lá consegui convencer que bom mesmo era irmos experimentar um restaurante de batatas ou, como os próprios chamam, batataria como despedida para férias. Sei que pagarei (de bom grado, naturalmente) esta derivação mas tinha mesmo muita curiosidade (e vontade) de comer estas batatas.




A descoberta deste restaurante foi casual, recebi um daqueles e-mails de ofertas e descontos que tinha no assunto "conheça um restaurante especializado em batata" e algo em mim disse - Oi?! A partir daí foi só uma questão de "zomatar" e "googlar" para descobrir o que era e onde ficava o Pomme de Terre.

Admito que foi o site do restaurante que me conquistou, o que é algo estranho e pouco usual nos dias que correm. Actualmente os restaurantes ou não têm site (facebook tornou-se a norma) ou quando têm não são... huuummmmmm... bons? informativos? sim, deixemos assim. Pelo contrário, o site está muito bem conseguido, com fotografias e um design que me prendeu a atenção e provocou em mim um sério craving for tatas. Não sei se já disse mas mim gostar de batatas, quase tanto como gostar de bolos.... senhores da Rua Sésamo para quando um monstro das batatas, eu comprava uma t-shirt (eu sou peludo e castanho... trá la rá la rá!).

Como sabia mais ou menos onde era o restaurante (algures na Praça das Flores), e estava confiante que se chegássemos cedo conseguiríamos obviar a parte da reserva de mesa (que não tínhamos), pusemo-nos logo a caminho.

Pomme de Terre não ficava bem, bem onde eu pensava mas não andava longe (o que nem sempre acontece, por isso à que ficar contente com as pequenas dádivas da vida), ficando um bocadinho acima da Praça das Flores. Pomme de Terre fica na esquina entre a Rua Marcos Portugal e o Largo Agostinho da Silva, largo onde existe um pequeno jardim cujo potencial é amplamente utilizado (e muito bem) pelo restaurante. E porque estava uma noite fantástica (quentinha e quase sem vento.... bem, eu diria sem vento mas como o mexer, quase imperceptível, de uma peça de roupa no estendal de um terceiro andar sem elevador é sentido por algumas pessoas na esplanada - síndrome da ervilha entalada no colchão aplicado ao vento - não me permite dizer sem vento) as mesas da esplanada pareciam estar todas reservadas ou já ocupadas, e como respondemos negativamente à fatídica pergunta "Têm reserva?", já víamos o nosso destino traçado - mesa dentro do restaurante (buuuáááááá!). Mas lá tivemos sorte e conseguimos mesa, não no palanque (esplanada ao longo da parede do restaurante) mas numa esplanada em pleno jardim (beggars can't be choosers).

Espero que compreendam que o interior do restaurante nada de tinha de mal. Está muito engraçado, com uma decoração alegre e descontraída, onde impera o azul (eu diria petróleo mas sou um bocadinho color blind) e o laranja, perfeito para quando o mundo exterior estiver agreste não quando está a Dream of a Midsummer Night..




Depois da indecisão e divagação inerente a qualquer ida a um restaurante (onde a minha resposta à pergunta "Mas tu já escolhes-te?" é normalmente "Ainda não mas suspeito que tenho muito tempo... - Time is on my side (Yes it is)! cantam os Stones dentro da minha cabeça :-)") lá nos decidimos por uma Perestroika, batata recheada com strogonoff de frango em combinação aromática de alecrim, cogumelos e natas, e um Saltimbocca que não é mais que a torre que veem em baixo, composta por batatas cozidas em leite, bife de frango coberto com presunto e cogumelos.




Se disserem que, depois de comer esta refeição, ainda têm um ratinho tenho apenas uma palavra  - ténia! ou duas - bicha solitária! - a dizer. Não, a sério. As duas batatas, cada uma no seu formato, estavam excelentes, de tal forma que nem deram sono (na verdade deram direito a um longo passeio para as transformar em puré). Eu sei, são batatas mas batatas a saber a batatas com o aspecto que estas batatas têm, não é fácil de encontrar (anos luz das batatas dos irish pub's).

Apesar de necessitar de desapertar as calças (sentido filosófico, ok? jamais faria tal coisa... nem que fosse pelo medo de me levantar e elas caírem), jamais poderia recusar uma sobremesa que me desperta a curiosidade... cheesecake de batata doce com coulis de frutos vermelhos (CheesePommeCake). E não satisfeitos também pedimos waffle de batata doce com bola de gelado de after eight (Americana).




Que posso eu dizer... muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito bom, muito bom mesmo!! Ambas as sobremesas estavam excelentes, especialmente o cheesecake, de forma que vale a pena ir a este restaurante só para comer a sobremesa. 

A simpatia e eficiência do atendimento (esplanada, thank you!), a comida óptima que nos serviram, as sobremesas excelentes que nos souberam que nem cerejas, fizeram com que os cerca de 20€ pp não nos parecessem exorbitantes. Óptimo restaurante para ir, especialmente em noites propícias para comer na esplanada (mas reservem, nem sempre se tem sorte).




Rua Marcos Portugal, 2 | 1200-258 Lisboa
Horário 10h às 02h | Encerra às Terças-Feiras

http://www.pommedeterre.pt/

+351215 944 480 | +351 913 756 033

algumas fotos retiradas de Lifecooler e Little tiny pieces of me







3 comentários:

Carla Martins disse...

Estou embatatada! :-) :-) :-)

Diogo Marques disse...

Por acaso vi esses vouchers mas acabei por não comprar por medo que fosse "só batata", mas pelo que vejo, devia ter comprado! Bom aspecto :)
-
Diogo Marques
Blog: A culpa é das bolachas! | Facebook | Instagram
-

Sebastião disse...

Infelizmente, como é sempre tudo à pressa, fui sem vouchers... Talvez para a próxima :-)