quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Chiringuito, Campo de Ourique






A primeira vez que fui ao Chiringuito foi na companhia do saudoso Sebastião (saudoso, porque não lhe ponho a vista em cima há muito tempo). Na segunda vez, e depois de descobrir a sala mais interior, fui com um grupo grande de amigos. Entre uma visita e outra descobri um Chiringuito no CC Amoreiras. Ainda não experimentei o espaço no Centro Comercial, mas assim que se proporcionar irei experimentar. 




O ambiente
Na primeira visita ficámos na sala de entrada, a sala é engraçada e com bom ambiente. Mas quando o Sebastião foi à casa de banho descobriu uma sala grande com uma decoração fantástica, a lembrar a sala de jantar de uma avó. A sala tem um ambiente acolhedor, moveis retro, louça a condizer, e sofás para esperar pelos comensais atrasados. O espaço tem ainda uma cozinha aberta para a sala, o que permite ver a confecção da refeição. No entanto como a sala é grande e com boa exaustão não existem cheiros. 





A comida
Aqui comem-se petiscos ou melhor tapas, que o restaurante é de inspiração espanhola. Já tive oportunidade de provar os croquetes de alheira de caça, mexidos com farinheira, rotos, salada de polvo, pica-pau, peixinhos da horta, pimentos de padron, cogumelos na chapa, batatas bravas e batatas ali oli. Mas o que quero destacar são os rotos. Estes têm uma apresentação um pouco diferente do prato espanhol, mas são deliciosos, de comer e chorar por mais. 





A sobremesa
Na primeira visita não resisti a umas farófias e o Sebastião a uma tarte de limão merengada. Estavam ambos igualmente bons. Na segunda visita pedimos tantos pratos que não houve espaço para mais nada. 




A conclusão
A voltar! Sem dúvida! O preço é um pouco elevado, o que acontece invariavelmente em restaurantes de petiscos, principalmente em grupos grandes, é sempre pedida comida a mais, o que prejudica a conta final. Mesmo assim, os rotos são divinais.

Sem comentários: