Dote, Colinas do Cruzeiro



Nem sempre é fácil para as urbanizações limítrofes de Lisboa, vulgo dormitórios, conseguirem uma vida própria, com a abertura não só de infraestruturas básicas como supermercados e lavandarias mas também de pastelarias, padarias, restaurantes e lojas de tudo e de nada. E que estas permaneçam abertas mais do que meia dúzia de meses... o que mais se vê por essas urbanizações por aí fora são lojas prontas a ser arrendadas mas que nunca parecem conseguir quem as alugue.

No entanto, as Colinas do Cruzeiro têm conseguido criar algum movimento próprio, conseguindo oferecer muito mais do que casa, cama e roupa lavada. E isso vê-se com abertura de vários restaurantes na zona com aspeto apelativo e a servir comida com qualidade. E acho que não estou a exagerar que tudo começou com um tal de Marco que vende francesinhas :)




Pondo então de parte as minhas divagações sociológicas pouco fundamentadas sobre urbanizações (certamente que a vossa urbanização também é assim, muito dinâmica), o importante é falar-vos da minha (ótima) experiência com um restaurante chamado Dote - Cervejaria Moderna, localizado no coração das Colinas do Cruzeiro.

Tudo começou com uma conversa de surdos... Abriu nas colinas um restaurante que é muito famoso no Porto! Tu deves conhecer... tem francesinhas.... Epá não me digas que a Cufra chegou primeiro aos subúrbios que ao centro de Lisboa! Pois não me lembro bem do nome... mas se calhar é esse! Dizem que é muito famoso. E assim continuaram as nossas conversas sobre o tema (onde a constante era que o dito restaurante era muito famoso), sempre pouco concretas, tendo demorado muito tempo até esclarecermos que afinal o nome do restaurante é Dote, existe realmente no Porto e que certamente será muito famoso, para quem o conheça. Como eu desconhecia completamente a sua existência, achei que era altura de sermos apresentados.

Caso ainda não tenha referido, o restaurante Dote fica em plenas Colinas do Cruzeiro, não muito longe desse marco gastronómico das colinas que é o Marco, na verdade na mesmíssima rua, uns números mais acima. E foi então, num cantinho resguardado da rua Pulido Valente que nos deparámos com a convidativa entrada do Dote. 


 

Não tínhamos feito reserva (óbvio! sempre a viver na corda bamba) e o restaurante parecia estar bem recheado (não sigam o nosso exemplo e reservem, especialmente com muitas pessoas) mas ainda nos conseguiram arranjar uma mesa (a facilidade do números pequenos).




E como podem comprovar, o restaurante estava mesmo cheio tendo-me impedido de tirar grandes fotos ao espaço, tendo-me socorrido do FB do Dote para melhor mostrar como está a decoração do espaço.


 
A decoração está marcada por diferentes tons de castanho, através da madeira empregue nas paredes e mobiliário, e o cinzento que cobre algumas das paredes, conferindo ao espaço um ambiente moderno mas ao mesmo tempo acolhedor. Em termos de área, o restaurante é grande com um espaço entre as mesas saudável, permitindo alguma privacidade entre comensais.

Nós tivemos algum azar no dia que escolhemos visitar o Dote pois estava a decorrer um jantar de grupo com muitas pessoas o que, como é expectável, levou a que houvesse muito barulho. Quando não somos nós a fazer o escarcéu, por muito que sejamos compreensivos e pensemos que também já fizemos o mesmo, ficamos fartos de não ouvir bem o que o outro está a dizer e de falar mais alto, com a consequência óbvia de despacharmos o jantar o mais depressa possível para irmos embora. Espero ter melhor sorte da próxima vez que lá voltar :-)
  
 


A casca, o segredo está na casca! Assim que vimos que, entre as diferentes possibilidades de pratos de entrada, tinham cascas de batata não podíamos dizer que não. E estavam excelentes. E a maionese de ervas também! O recipiente da maionese só saiu da mesa depois de rapado com as batatas fritas dos pratos principais.

Para pratos principais pedimos uma mini francesinha (apenas aconselhável a quem tenha muito pouca fome ou seja um pisco a comer, de outra forma toca de pedir uma francesinha por inteiro) e um prego do mar. Este segundo prato merece uma frase só dele. Então imaginem um bife de atum coberto de farinheira entalado (no melhor dos sentidos) num bolo do caco embebido em manteiga de alho. Divinal! Devem é evitar fazer análises nos dias a seguir a comerem este prego... são capazes de pregar um susto ao pobre médico que vir os resultados.

Mas atenção, a piquena francesinha (segundo me contaram) também estava muito boa! E o molho também (não muito picante), tanto que as minhas batatas passavam a vida a ir a banhos ao prato da frente (especialmente depois de se ter acabado a maionese).



 


Depois de tudo comer, tivemos um momento de dúvida....sobremesa ou não sobremesa... acabámos por decidir não perguntar se tinham sobremesas, não queríamos correr o risco de cairmos no pecado da gula. O atendimento foi impecável, muito atencioso e prestável mesmo no meio de toda a comoção instalada devido ao jantar de grupo. No fim fomos brindados com uma conta que rondou os 10€pp, excelente negócio!


Conto voltar nem que seja porque ainda não experimentei a Francesinha ;-)



Horário | 12h às 01h | Não encerra
Reservar | 219332922

Urbanização Colinas do Cruzeiro, Rua Pulido Valente, 6C, Odivelas Centro, Odivelas

Facebook




_________________________________________________________________________
 
P.S. Para quem tiver receio de se aventurar pelos subúrbios já pode experimentar as iguarias do Dote em pleno centro de Lisboa, na Rua Barata Salgueiro, 37A, Avenida da Liberdade.
________________________________________________________________





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mundet Factory, Seixal

Pastelices, Seixal

Alô! Alô!