quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Feliz Ano Novo!



Queridos leitores,

chegados ao fim de mais um ano, é altura de reunir o que de melhor temos/fizémos/alcançámos e entrar em grande em 2016!

Que 2016 seja para todos um ano muito feliz! :)

Por aqui, espera-se a continuação de boas garfadas... ;)





Joana, Sebastião e Sininho


terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Opíparo, Estoril



Num dia fantástico para passear, decidimos ir fazer muita fotossíntese aliada a uma boa caminhada, e fomos passar o fim da manhã e a tarde entre Oeiras e Cascais.

O clima, como podem ver, era propício a ganhar umas cores na cara, e ao longo do percurso a inveja dos que tinham trazido fato-de-banho era muita...






O Opíparo acabou por ser a nossa escolha para almoçar. Não ficámos na esplanada porque o sol estava tão quente que iria torrar os miolos enquanto almoçava. Por isso, decidimos ficar na sala, que tinha as janelas (que são enormes) abertas e portanto era como se estivéssemos na esplanada (com o plus de não torrar!).

A decoração da sala é bastante simples, sem grandes pretensões, mas ao mesmo tempo confortável. Como já disse, as janelas são enormes e permitem desfrutar da vista maravilhosa sobre o mar, que está mesmo ali! :)








As nossas escolhas para almoço foram os filetes de peixe galo com arroz de ameijoas e coentros e o bife tropical. Existem outras opções como saladas, massas, pizzas. 

O que escolhemos estava muito bom! Os meus filetes eram óptimos, super frescos, e o arroz estava uma verdadeira delícia! O bife também estava bastante bom, apesar de o arroz que acompanhava não ser tão bom como o meu!








Optámos por não comer aqui a sobremesa. Ficámos muito "compostinhos" com o almoço, e a ideia era mesmo caminhar até Cascais e ir comer um gelado à Tchipepa! :) De qualquer das maneiras, as sobremesas no Opíparo são na ordem dos 4,5 €, o que nos pareceu caro...

O atendimento foi bastante rápido e solícito... mas! E isto pode ser um preconceito... temo que aos fins-de-semana este sítio seja dado à confusão e portanto o atendimento seja menos bom! Se lá forem depois digam de vossa justiça! :)

Pagámos cerca de 32 euros (dois pratos, duas bebidas, dois cafés). Não é propriamente barato, é verdade, mas já se sabe que tem de se pagar a localização. É um restaurante onde a conta facilmente atinge os 20-25 euros por pessoa.

Mas a vista... e num dia lindo como aquele! Valeu a pena! :)


Praia da Poça
São João do Estoril
Tel. 214 688 600
Horário: Todos os dias, 10:00-24:00.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Restaurante Museu do Oriente, Lisboa

Olá! Olá!

Sim, estou viva! Eu e o Sebastião deixámos o 12h30 entregue à Sininho (e muito bem entregue) uma vez que motivos profissionais/académicos/pessoais nos afastaram deste espaço e, vá, do mundo em geral!!!

Mas, eis que as férias de Natal chegam em todo o seu esplendor e aqui estamos nós de volta!

(sim, o Sebastião também vai voltar e escrever os 1500 posts que tem em atraso, não é Sebastião?! :))

(e sim, o meu trabalho não desapareceu, muito pelo contrário, mas dado que é Natal eu vou procrastinar e varrê-lo para debaixo do tapete...)

E então neste regresso venho falar-vos de algo que estava para experimentar há imenso tempo, mas que por razões várias, acabava sempre por deixar para trás! E as razões para adiar a ida a um brunch eram, por exemplo:
- vale a pena o dinheiro que se paga (sempre dos 15-20 euros para cima)?!
- a misturada de sabores de pequeno-almoço e almoço não me vai deixar mal-disposta?!
- vou aguentar até ao meio-dia sem comer?! sim...isto para mim é um drama... :)

Em Outubro surgiu o brunch do restaurante do Museu do Oriente e eis que os sites da especialidade e os diversos blogs se encheram de fotografias muito apetitosas e elogios vários! E portanto, foi ontem que surgiu a oportunidade de ir experimentar o brunch do Museu do Oriente!

Afinal as fotos que vi pela net fora correspondiam mesmo à verdade! A variedade e a qualidade dos produtos são de facto muito boas, as mesas estão muito bem decoradas e sistematicamente a serem repostas, e o serviço é impecável e solícito.

Aqui ficam algumas fotos:


Em primeiro lugar: a vista! 





As fotos que se seguem são retiradas do FB do restaurante. Não cheguei logo no início do brunch e já lá estavam demasiadas pessoas para andar de telefone na mão a tirar fotografias. Por isso, socorri-me destas que fazem mais justiça ao que está disponível.










Além de uma mesa enorme cheia de pães, bolos, bolinhos, queijos, sobremesas, etc, etc, existe outra mesa com os pratos quentes (2 pratos principais, sopas, ovos mexidos, bacon, etc).

Nós provámos de tudo um pouco, com excepção dos pratos principais e das sopas. Achei que seria mistura a mais e preferi andar nas "coisas mais pequenas". Nas sobremesas salientamos a mousse de maracujá, a mousse de chocolate e o arroz doce! :)

Nota negativa: o café (expresso) não está incluído... obviamente que há café "normal" disponível, mas não é a mesma coisa... e sinceramente acho ridículo que um simples café (que deve custar ao restaurante 0,30 €, mais coisa menos coisa) não esteja incluído num menu de 20 euros! 

Outras informações importantes:

- preço/pessoa - 20 euros; crianças 4-12 anos - 10 euros
- horários: sábado e domingo; dois turnos: 12:00-14:30, 14:30-17:00
- convém reservar
- tlf: 213 585 228, 912 190 320
- levem fome!!! :)

Respostas às minhas inquietações:
- sim, neste caso, vale a pena o que se paga (apesar de 20 euros ser obviamente um preço que não é para todos os dias, mas tendo em conta que junta pequeno-almoço e almoço...)
- fui fraquinha e como já disse não provei os pratos que seriam verdadeiramente de almoço... fica para uma próxima! Achei melhor jogar pelo seguro! ;)
- sim, consegue-se estar até ao meio-dia sem comer! se se levantarem só às 10:30... no fundo, é o tempo de se arranjarem e chegar lá, por isso, no problem! :)



quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Chiringuito, Campo de Ourique






A primeira vez que fui ao Chiringuito foi na companhia do saudoso Sebastião (saudoso, porque não lhe ponho a vista em cima há muito tempo). Na segunda vez, e depois de descobrir a sala mais interior, fui com um grupo grande de amigos. Entre uma visita e outra descobri um Chiringuito no CC Amoreiras. Ainda não experimentei o espaço no Centro Comercial, mas assim que se proporcionar irei experimentar. 




O ambiente
Na primeira visita ficámos na sala de entrada, a sala é engraçada e com bom ambiente. Mas quando o Sebastião foi à casa de banho descobriu uma sala grande com uma decoração fantástica, a lembrar a sala de jantar de uma avó. A sala tem um ambiente acolhedor, moveis retro, louça a condizer, e sofás para esperar pelos comensais atrasados. O espaço tem ainda uma cozinha aberta para a sala, o que permite ver a confecção da refeição. No entanto como a sala é grande e com boa exaustão não existem cheiros. 





A comida
Aqui comem-se petiscos ou melhor tapas, que o restaurante é de inspiração espanhola. Já tive oportunidade de provar os croquetes de alheira de caça, mexidos com farinheira, rotos, salada de polvo, pica-pau, peixinhos da horta, pimentos de padron, cogumelos na chapa, batatas bravas e batatas ali oli. Mas o que quero destacar são os rotos. Estes têm uma apresentação um pouco diferente do prato espanhol, mas são deliciosos, de comer e chorar por mais. 





A sobremesa
Na primeira visita não resisti a umas farófias e o Sebastião a uma tarte de limão merengada. Estavam ambos igualmente bons. Na segunda visita pedimos tantos pratos que não houve espaço para mais nada. 




A conclusão
A voltar! Sem dúvida! O preço é um pouco elevado, o que acontece invariavelmente em restaurantes de petiscos, principalmente em grupos grandes, é sempre pedida comida a mais, o que prejudica a conta final. Mesmo assim, os rotos são divinais.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Mercado dos Bolos, Algés





Após uma reunião (daquelas) em Algés decidimos fazer uma pequena pausa e fomos até ao Mercado de Algés. 

Como estou perpétuamente de dieta normalmente fico-me por uma torradinha, mas quando os meus olhos bateram na montra do Mercado dos Bolos, o meu cérebro parou e a minha vontade intrínseca de comer doces falou mais alto. Eu queria todos, para mim naquele momento era um de cada. Escolhi em poucos segundos: um cheesecake, um bolo de bolacha e uma pavlova. Depois de respirar fundo lá consegui raciocinar um pouco e perceber que se comesse aquilo tudo iria ficar muito mal disposta. Assim, arranjei uma parceira de crime e partilhámos um cheesecake de frutos silvestres e um bolo de bolacha.

O chessecake estava bom, a base estava crocante e a cobertura doce qb.




A questão colocou-se com o bolo de bolacha. Ambas somos experts em bolo de bolacha, tanto como fazedoras como ingestoras compulsivas. Por isso somos muito exigentes, tal críticos da Michelin. Avaliámos a consistência e qualidade da bolacha, textura e sabor do creme: o bolo falhou redondamente. A bolacha parecia borracha e o creme estava bonzinho.

Por um acaso, o responsável pelo Mercado dos Bolos passou pela nossa mesa e perguntou a nossa impressão. Não podíamos ocultar e demonstrámos o nosso desagrado.

Prontamente, e apesar dos nossos protestos, apareceu um novo bolo de bolacha. Não podíamos fazer desfeita e provámos o bolo. Muito melhor! A bolacha tinha uma consistência muito mais agradável.  A razão que nos apresentaram para a diferença foi o bolo inicial estar na montra e a refrigeração desta não ser a ideal para a conservação destes bolos.




A conclusão
Não fiquei maravilhada! São bons, mas não o suficiente para estragar a dieta. No entanto, mantenho a vontade de numa próxima visita experimentar a Pavlova.



quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Porto






Este fim de semana vou voltar à Invicta, desta vez na companhia de colegas de trabalho que me pediram umas dicas sobre restaurantes no Porto. 

Compilei uma pequena lista (é só um fim de semana), para vários gostos e carteiras, que aqui deixo.




Restaurante a não perder (e a deixar por lá o ordenado)
Casa de chá da Boa Hora - Matosinhos
http://ruipaula.com/web/boa-nova/menu/


Tascas típicas portuenses
Tasca da Badalhoca - Ramalde
http://boacamaboamesa.expresso.sapo.pt/porto/tasca-badalhoca-19622482

Casa Guedes - Baixa
http://www.tripadvisor.com.br/Restaurant_Review-g189180-d2093056-Reviews-Casa_Guedes-Porto_Porto_District_Northern_Portugal.html


​Para uma boa francesinha
Cufra - Av. Boavista
https://www.zomato.com/pt/porto/cufra-pinheiro-manso

Café Santiago - Baixa
http://caferestaurantesantiago.com.pt/pt


Clássicos do Porto que nunca falham
Casa Aleixo - Campanhã
http://restaurantecasaaleixo.pai.pt

​O antigo carteiro - Lordelo
https://www.zomato.com/pt/porto/o-antigo-carteiro-lordelo

​Cafeína - Foz​
http://www.cafeina.pt/pt/cafeina






segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Ilhas Gregas, Madragoa





A desculpa para ir ao Ilhas Gregas foi isso mesmo uma desculpa. E como todos sabemos qualquer desculpa é valida para uma reunião de amigos. 

Assim, de forma a comemorar 2 mês de termos ido à Grécia, o grupo que em Setembro se juntou e foi ao casamento de um amigo, reuniu-se à volta da mesa para relembrar os bons velhos tempos. Já tínhamos saudades de uma boa salada grega, prato indispensável em qualquer refeição na Grécia. 

A comida

Entre tanta escolha que tínhamos à disposição, decidimos ser lambareiros e pedir o menu de degustação. Esta decisão foi a demonstração dolorosa de: ter mais olhos que barriga. Como queríamos provar de tudo o que tínhamos tido oportunidade de comer na Grécia, escolhemos tudo. O que revelou ser um exagero.




O menu de degustação inclui 4 entradas frias, 3 entradas quentes, pão pita à descrição, salada grega, prato de carne grelhada, moussaka e doce. Nem esta descrição nos alertou para o facto de que talvez fosse comida a mais.

O pão pita era divinal, veio sempre quentinho e com uma camada fina de azeite, o que permitia comer mesmo assim ou em conjunto com as entradas. Como a fome já era muita, os cestos de pão iam desaparecendo e sendo substituídos por novos a uma velocidade menos dietética. 




As entradas frias incluíram Tzatziki (iogurte grego com pepino), Hoummus e Tirosalata (feta, queijo branco, peperoni e condimentos). Todos deliciosos! Não sou especial apreciadora de pepino, mas o Tzatziki estava muito bom. 

Nas  entradas quentes tivemos direito a Dolmadakia (folha de videira recheada com arroz), e queijo feta grelhado. Descobri o Dolmadakia neste viagem à Grécia e fiquei maravilhada. A textura da folha de videira não é para todos os paladares, mas quem gosta, fica convertido.



O queijo feta grelhado era algo que ainda não tinha tido oportunidade de provar, mas também não fiquei convencida. O sabor do queijo feta cozinhado é bastante forte. 




A sala grega é um clássico, que não poderia falar na nossa mesa. Não sou grande apreciadora, pois não gosto muito de tomate e pepino e se retirarmos ambos de uma salada grega, fica muito pouco. Vá, posso sempre pescar cubinhos de queijo feta. Noticia de ultima hora: viajamos por vários pontos da Grécia e não encontramos uma salada grega com cubinhos de feta, todas com uma substancial fatia de queijo por cima da salada. 




Quando finalmente chegou o prato principal já não havia fome. Nenhuma! Nada! Até foi um pequeno sacrifico comer a mossaka e a carne grelhada. Na verdade não consegui apreciar convenientemente, mas pareceram-me bons. 




A sobremesa

Os gregos não são conhecidos pelas sobremesas e há razões para isso. Na maioria dos restaurantes gregos a sobremesa é cortesia da casa e invariavelmente é iogurte grego com mel. No Ilhas Gregas deram-nos um bolo húmido com gelado. Se o prato principal já foi de difícil ingestão, a sobremesa muito mais. Não fiquei impressionada e não o voltaria a pedir. 




A conta

Sendo que o menu é 16,90 euros por pessoa, e que bebemos várias garrafas de vinho grego (sim, é tão mau quanto soa), a conta ficou pela módica quantia de 26 euros por pessoa. Esta doeu! Doeu fundo!

A conclusão

Este é um verdadeiro restaurante grego. A visitar por quem queira conhecer a gastronomia ou matar saudades daquelas férias fantásticas na Grécia. Mas, conselho de amiga, peçam uma entrada e um prato, não se atirem ao menu, que esse doí a vários níveis. 



Ilhas Gregas
Rua das Trinas, 22, Madragoa, Lisboa
21 0993288
http://www.ilhasgregas.eu/
Terça a Sexta: 19h30 - 24h30
Sábados e Domingos: 12h30 – 15h30 e 19h30 - 24h30




segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Conversafiada, Príncipe Real





Já não é a primeira vez que falo aqui sobre os múltiplos jantares de despedida de amigos que emigram para melhores paragens. Desta vez foi uma baixa de peso, uma grande amiga decidiu partir para terras de Sua Majestade por isso, para esta despedida, impunha-se uma festa "à séria".

O local escolhido para iniciar as hostilidades foi o Conversafiada, um pequeno restaurante no Príncipe Real que serve, essencialmente, petiscos. No entanto, na ementa também existem pratos para quem não seja dado aos petiscos (ainda não conheci alguém com essa condição, mas deve existir).


O restaurante




O restaurante é pequeno mas mesmo assim ainda acolheu mais de 10 comensais numa só mesa. Tem como principal característica, uma parede e um balcão de ardósia decorado com desenhos e palavras escritos a giz. 

A restante decoração cria um ambiente confortável e acolhedor, com um candelabro, mesas e cadeiras vintage


A comida




Como o grupo era grande houve oportunidade de pedir vários pratos. Assim vieram para a mesa os já tradicionais, e deliciosos, ovos com farinheira, polvo à galega, croquetes de alheira e pica pau.




Acompanhado mais tarde por pimentos de padrón, chouriço assado (um clássico do grupo em questão, não há ajuntamento nosso que não tenha um belo chouriço assado, independentemente do que a OMS tenha a dizer sobre a questão), pataniscas de bacalhau e peixinhos da horta.

Tudo deliciosamente cozinhado, irrepreensível. 




Para sobremesa experimentámos um belo crumble com gelado de nata. 




O atendimento

O atendimento é muito atencioso e simpático. Iniciou-se logo na marcação de mesa, a mesa foi marcada para 10 pessoas com mais de 15 dias de antecedência. Numa casa com capacidade de pouco mais do dobro foi uma grande coragem aceitar uma reserva meio estranha feita com tanta antecedência.

Durante o jantar o atendimento foi sempre solícito e divertido, o que enriquece a experiência. 


O preço

A conta foi simpática e pagámos pouco mais de 10 euros por pessoa, incluindo vinho e sangria. 


A conclusão

A repetir sem dúvida. Estava tudo fantástico, a comida, a decoração, o atendimento e o preço. Foi uma aposta bem sucedida.

Para tornar a noite memorável, terminámos nesse antro de decadência que é o Jamaica.





Conversafiada
Travessa da Palmeira, 44/46, Príncipe Real, Lisboa
914882288/962485777
Horário: seg-sab 19:00 a 24:00













terça-feira, 27 de outubro de 2015

Várias coisas a dizer sobre este sítio... #1 - Aveiro




Para começar devo dizer que não estava nada programado ir passar estes dias de férias a Aveiro! O meu destino para estes dias seriam supostamente estes:



Ora pois... Granada e Córdova, passeio há muito adiado, estava na minha cabeça completamente idealizado para estes dias. Eis senão quando, começo a fazer contas aos dias disponíveis, à carteira, aos km's que iríamos palmilhar com les enfants terrible, e começo a achar que isto se calhar era "fruta" a mais para quem pretendia descansar também um pouco (só tínhamos 4 dias de férias). Com a questão económica a ter um grande peso (não só a nossa, mas a do país também... que isto de ir dar dinheiro a ganhar aos nuestros hermanos tem de acabar, principalmente quando nem o nosso país conhecemos bem!), decidimos ir então para Aveiro! 






E porquê Aveiro? Porque tinha imensa curiosidade em conhecer a cidade, só tenho ouvido no passado recente coisas boas, e porque era próxima (300 km, mais ou menos). Alugámos uma casinha às riscas na Costa Nova, muito gira, e lá nos fizémos ao caminho!

Primeiras impressões na chegada à Costa Nova: uaaaauuuu!!! Que sítio tão giro, tão bem composto, tão engraçado! Vale imenso a pena uma visita! As casas às riscas dão um colorido à zona, mas não é só! É toda a envolvente! A ria, a praia, as casas "não às riscas" que são muito giras também, as ciclovias (uma constante por esta região), as esplanadas. Enfim! Uma zona muito gira que vale a pena visitar!




Almoçámos numa churrascaria na rua (Arrais Ançã) onde ficámos alojados, pequenina, mas que tem pratos simples e que desenrascam um bom almoço para quatro a preços simpáticos (cerca de 25 euros). Não me lembro do nome... não me lembro mesmo e não encontro a factura!

Um frango assado muito bom! Simples, mas óptimo para despachar!


Experimentámos também alguns doces da região: bolacha americana e tripa, ovos moles e os Gelados de Portugal.



Bolacha americana

Tripa

Para a bolacha americana e tripa escolhemos o quiosque da Ímpar no Fórum Aveiro, empresa dedicada ao fabrico destes produtos. Segundo nos explicaram, a massa é a mesma mas a maneira como é trabalhada faz a diferença! Achei a tripa um pouco enjoativa...prefiro a bolacha que é mais fininha. 
Atenção a quem levar crianças: comer a bolacha americana sem nos sujarmos é um verdadeiro desafio para adultos! Imaginem agora para crianças... a minha filha tinha chocolate espalhado, basicamente, pelo corpo todo... assim, de relance, lembro-me de ver a boca, nariz, bochechas, mãos, pernas e vestido (que era branco!) tudo com pingos de chocolate...



E os incontornáveis ovos moles! Os "nossos" na Tricana, ao pé da Estação de Aveiro.


E tinha imensa curiosidade com os Gelados de Portugal! Não tenho a certeza disto mas em Lisboa só vi à venda no SuperCor, não sei se existem em mais sítios. Aqui deliciámo-nos com vários sabores. Como estava a chover, eu juntei ainda um cappucino e notem bem no pormenor que está no pires: 4 ovinhos moles! Provavelmente colocam apenas um por cada chávena, mas talvez por sermos quatro, tiveram a gentileza de colocar um para cada!





E os gelados? Ah, sim... os gelados são óptimos! E a loja é bem gira! :)


Num dos dias almoçámos na Tasquinha do Leitão, na Praça 14 de Julho (perto do Hotel Aveiro Palace), e aqui tenho a salientar a simpatia da funcionária que nos atendeu! Uma rapariga simpática, inteligente e muito atenta! Não é fácil encontrar alguém a quem não é, por exemplo, pedir um prato extra para uma criança quando os menus já trazem uma quantidade substancial de comida e por isso em vez de se pedirem quatro, pedem-se apenas três menus. Isso e explicar muito bem a composição dos vários menus disponíveis, aconselhar na escolha, e sem se demorar mais tempo do que o estritamente necessário! A comida... ah, a comida também tenho de salientar! Sou fã incondicional de leitão e este era muito bom e nada caro! Gastámos cerca de 22 euros na refeição (três menus). Aqui fica:







Decidimos também conhecer alguns locais nos arredores e fomos almoçar à praia da Vagueira, mais concretamente ao Ei, sítio por diversas vezes recomendado nas várias pesquisas prévias que fiz. O Ei é recomendado pelos seus hamburguers e nós fomos muito bem mandados! :) Comemos belos, bons e grandes harmburguers! Três hamburgers, mais bebidas e cafés, ficaram por volta dos 30 euros. 



Eu acho que aqui não se percebe bem, mas isto era gigantesco... :)



Nota muito positiva para a praia da Vagueira! Tendo nós por cá uma Costa da Caparica tão maltratada, até ficamos com uma pontinha de inveja deste paredão e destes passadiços (claro que depois olhamos para o clima e pronto...).


Praia da Vagueira


E acho que termino por aqui todos os sítios que experimentámos em Aveiro! Há imensos sítios que ficaram por experimentar! Aveiro está uma cidade vibrante, cheia de gente nova, cheia de turistas (portugueses e estrangeiros), os restaurantes e as casas de chá multiplicam-se, há imensos souvenirs para trazer para a família e os amigos, tudo está super bem aproveitado! 

Desta vez, e como fomos acompanhados pelos miúdos, optámos por fazer algumas refeições em casa e por isso não temos sítios para falar correspondentes ao número de dias que estivémos fora. Também não tenho muitas fotos, e por isso está tudo num só post sobre Aveiro; não porque os sítios não fossem interessantes, mas porque estava mesmo em modo férias! 

Não sei se já se percebeu, mas fiquei fã desta cidade! :) Desde que regressei tenho andado a dizer isto a todos: nós andamos a perder anos de vida na capital!!!! Atentem no que vos digo...

Aqui ficam mais algumas fotos da cidade e arredores:


Centro Cultural e de Congressos


Sal, sal e mais sal...


Museu Marítimo de Ílhavo - vale a pena visitar! :)


Aquário de Bacalhaus
Farol da Barra - visitas às 4ª feiras



E o sol a despedir-se da Costa Nova!



Espero que tenham ficado com curiosidade em conhecer! Acreditem que vale bem a pena!